Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Putin, uma década de poder absoluto e viril na Rússia

“Na Rússia, um homem de talento não pode ser irreprochável”, escreveu, no final do século XIX, o dramaturgo Anton Chekhov, e essa descrição se aplica perfeitamente a Vladimir Putin, que, este domingo, celebra os dez anos de sua chegada ao poder.

No entanto, quando o presidente russo Boris Yeltsin nomeou o chefe do poderoso Serviço Especial (FSB, ex-KGB) para o cargo de primeiro-ministro, em 9 de agosto de 1999, muitos acreditavam que se tratava apenas de mais uma extravagância do governante idoso e doente. Uma década mais tarde, o ex-espião se impôs como o artífice de um país orgulho diplomaticamente e forte economicamente, que superou a humilhação e o caos herdados da queda e do desmembramento da URSS, apesar desta transformação ter sido paga com uma redução das liberdades.

“Há dez anos, a população estava dividida e a metade acreditava que ainda estava vivendo na União Soviética. Putin mudou tudo isso e acabou criando uma nova nação”, afirma o especialista em Ciências Políticas Gleb Pavlovski, partidário do governo. Putin ocupou o posto de presidente durante oito anos (2000-2008) e depois tornou-se primeiro-ministro do seu sucessor e protegido, Dimitri Medvedev, mas não resta dúvidas de que o poder real do país continua em suas mãos.

A epopeia de Vladimir Vladimirovich Putin, de 56 anos, jamais foi isenta de controvérsias. Quando chegou ao poder, lançou a sangrenta segunda guerra da Chechênia. Depois afastou da política, um a um, os influentes oligarcas, empresários se escrúpulos que caracterizaram a época de Yeltsin. Mais tarde, obrigou os meios de comunicação a uma lealdade incondicional, suprimiu qualquer oposição liberal no Parlamento e voltou a colocar os governadores regionais sob a rédea de Moscou. “Ele tem uma importância histórica, pois com ele o país deixou de se democratizar e seguiu a via do enfrentamento com o resto do mundo”, denuncia Lev Ponomarev, um dos principais defensores dos direitos humanos na Rússia e detrator da chamada “vertical do poder” de Putin.

“Se com Yeltsin podia-se dizer que a construção da democracia avançava passo a passo, com a chegada de Putin ela tomou o caminho inverno”, acrescentou. Aparentemente, é isso o que os russos desejam. Segundo uma pesquisa recente do centro independente Levada, 63% das pessoas entrevistadas consideram positivo que a parte fundamental do poder esteja concentrada nas mãos de Vladimir Putin.

O ex-presidente assumiu isso claramente desde 4 de setembro de 2004, depois da tomada de reféns da escola de Beslan, que terminou com a morte de 330 pessoas, incluindo 186 crianças, em uma polêmica intervenção das forças de ordem. “São os fracos que recebem os golpes”, declarou na ocasião, considerando que a Rússia se mostrou fraca desde o desaparecimento da poderosa União Soviética.

 

 

Desde então, Putin tenta parecer infalível e não hesita em fazer declarações contundentes, como quando considerou que a famosa jornalista opositora Anna Politkovskaia, assassinada em outubro de 2006, era uma “personalidade insignificante”. Ele também tenta mostrar publicamente sua força viril.

Durante a semana anterior ao aniversário de seus dez anos no poder, desceu de submarnino a 1.400 metros de profundidade no Lago Baikal, cavalgou com o peito nu na Sibéria e nadou no estilo borboleta diante dos fotógrafos na águas geladas de um rio.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!