Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

PT da EDM em Inhamízua novamente sabotado

Ontem a tarde indivíduos desconhecidos vandalizaram o posto de transformação de energia eléctrica na zona de Inhamizua, arredores da Cidade da Beira, privando cerca de 150 consumidores da corrente eléctrica. O facto foi nos revelado ontem a noite pelo director regional e da área de distribuição da Beira da EDM, Neves Xavier, que disse que os sabotadores pretendiam roubar enrolamentos de cobre.

“O transformador ficou sabotado mas os sabotadores não conseguiram concretizar os seus intentos porque o PT está a sensivelmente cem metros da esquadra naquela zona. As autoridades quando se aperceberam do que estava a acontecer aproximaram-se do local e os larápios dispersaram-se antes de retirar o transportador” – afirmou Neves Xavier.

A fonte confirmou que neste momento clientes naquela zona estão sem energia e a EDM não possui de momento outro transformador para repor, tendo salientado que os transformadores são equipamentos muito caros. “Temos que mobilizar meios financeiros e é um exercício que requer algum tempo” – referiu, recordando que essa se trata da segunda que o mesmo transformador designado PT- 69 sofre vandalização no espaço inferior de um ano.

“Já tivemos casos do género muitos em Chimoio em que os larápios violaram os transformadores para roubar os enrolamentos. Portanto, um pouco por este corredor entre a Beira e Chimoio tem sido prática a vandalização dos nossos postos de transformação, deixando os clientes muitos dias sem energia” – lamentou. Neves Xavier deu a conhecer que a vandalização de um posto de transformação os prejuízos rondam trinta mil dólares, mas se se incluir os clientes que ficam privados da corrente eléctrica e a empresa não pode facturar ascendem cem mil dólares.

Um dólar americano equivale a cerca de trinta meticais. O director não descarta a hipótese de envolvimento de funcionários da EDM nesse tipo de acções de sabotagem, mas afirmou enquanto a empresa não ter evidencias ate prova em contrario eles tem de continuar inocentes. Explicou que os enrolamentos são material de cobre e basicamente os sabotadores visam a sua venda na sucata, tendo dito que os rendimentos nesse negócio são muitos baixos em relação os prejuízos que provocam a empresa.

“Trata-se de uma situação preocupante para a empresa, traz muitos prejuízos que impedem a EDM prosseguir o seu projecto de expansão da rede eléctrica e de melhoramento da qualidade de energia” – sublinhou. Uma vez que a rede de energia eléctrica se encontra distribuída nas vias públicas, Neves Xavier solicitou a colaboração das autoridades locais no combate desse tipo de sabotagem.

“Temos tido alguma colaboração, mas os larápios constantemente inovam os seus actos e acabam conseguindo realizar os seus intentos”. No combate a esse tipo de sabotagem, a EDM tem trabalho muito ligado a PRM, Alfandegas e outras empresas que também sofrem do mesmo problema, por exemplo a TDM.

“Trabalhamos em coordenação com as comunidades, temos feito muito trabalho de sensibilização e contamos com o envolvimento dos membros do policiamento comunitário que tanto fazem para prevenir esse tipo de situação” – conclui Neves Xavier, director regional e da área de distribuição da Beira da EDM – Empresa Pública.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!