Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Publicidade

Proprietário de uma das cem maiores empresas de Moçambique raptado na sua casa; Dólar ultrapassa os 60 meticais

Proprietário de uma das cem maiores empresas de Moçambique raptado na sua casa; Dólar ultrapassa os 60 meticais

Foto Câmara de SegurançaMais um proeminente empresário foi sequestrado no início da tarde desta terça-feira (24) na capital de Moçambique. A vítima, um cidadão moçambicano de ascendência indiana, é proprietária de uma das 100 maiores empresas de Moçambique a Hariche Group Lda. Só no mês de Outubro, três outros empresários foram raptados na cidade de Maputo. A onda de sequestros que começou em 2011 – para além da capital assola as cidades da Matola, Beira e Nampula -, não contribui para um bom ambiente de investimento e, segundo um reputado economista, propicia a depreciação do metical em relação ao dólar norte-americano.

Hariche Arquissandas foi sequestrado cerca das 13 horas, pouco depois de entrar na sua residência, no bairro do Triunfo. Assim que estacionou a sua viatura dentro da garagem, o empresário foi abordado por quatro criminosos, que o aguardavam, e que conseguiram entrar para o seu quintal antes de o portão eléctrico fechar.

O cidadão adulto, membro da comunidade hindu, foi arrastado para fora da sua residência e colocado numa viatura de alta cilindrada e com os vidros fumados, que estava nas redondezas e se aproximou da entrada.

Em menos de 30 segundos, os criminosos realizaram o sequestro e deixaram a residência em direcção à estrada circular de Maputo em pleno dia e sem nenhum tipo de problemas.

A Polícia da República de Moçambique ainda não se pronunciou sobre mais este rapto que acontece à luz do dia, em bairros nobres da cidade de Maputo. Embora alguns sequestradores tenham sido detidos, e outros julgados e condenados, o facto é que nada parece intimidar os malfeitores, cujos mandantes são desconhecidos, que não se coíbem de realizar os seus crimes próximo à residência do Comandante Geral da Polícia moçambicana e até mesmo nas redondezas da Presidência da República.

{youtube}rhU1CEJPQ9E{/youtube}

O Executivo de Filipe Nyusi, como o seu antecessor, tem privilegiado as Forças Armadas e paramilitares, mesmo Moçambique não estando em guerra com ninguém, em detrimento das forças policiais e de investigação criminal.

O @Verdade apurou que a vítima tem interesses em várias empresas moçambicanas desde o ano 2000 quando criou a Hariche Steel International, vocacionada para a produção de chapas metálicas de coberturas. Nesta década e meia, Hariche Arquissandas alargou o seu portfolio de negócios para empresas de materiais de construção diversos, empresas do ramo de alimentação e comércio geral culminando com a criação do Hariche Group Lda, uma das cem maiores empresas de Moçambique desde 2009, de acordo com o ranking da consultora KPMG, e que emprega mais de 250 trabalhadores.

Habitualmente, os raptores exigem em regaste das suas vítimas milhões de dólares norte-americanos.

Segundo o economista António Francisco, os raptos de empresários que vêm acontecendo em Moçambique têm forte influência sobre a taxa de câmbio que no último mês tem levado à depreciação do metical, em relação ao dólar norte-americano. Nesta terça-feira (24) a moeda norte-americana estava a ser transaccionada acima dos 60 meticais no Banco Comercial e de Investimentos.

“Porque isto não são raptos esporádicos que aconteceram, são sistemáticos há dois ou três anos, em que eles vão às pessoas que têm dinheiro e fazem o assalto aos empresários. A implicação disto é que nenhum estrangeiro e nenhum moçambicano que tenha a possibilidade de ter poupanças significativas as vai deixar aqui”, disse António Francisco em entrevista ao @Verdade, acrescentando: “gerou-se um ambiente em que qualquer riqueza que você cria aqui vai pô-la no vizinho ou na Europa”.

Desde o início dos sequestros vários empresários abandonaram o nosso país, várias embaixadas estrangeiras têm feito avisos de alerta aos seus cidadãos relativamente ao clima de insegurança que se vive nas principais cidades de Moçambique.

Esta situação concorre para a falta de poupança interna e, de acordo com o economista, é uma das razões da crise financeira que o nosso país tem estado a enfrentar e que se agravou quando o Presidente Filipe Nyusi assumiu o cargo.

Os sequestros também contribuíram negativamente para a avaliação de Moçambique, durante o último ano do mandato de Armando Guebuza, no Índice Africano de Boa Governação Mo Ibrahim.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!