Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Programa Mundial de Alimentação deixa de apoiar projecto de lanches escolares em Sofala

O Programa Mundial de Alimentação (PMA) vai deixar de apoiar um projecto de distribuição de lanches a crianças de algumas escolas do ensino primário da província de Sofala, Centro de Moçambique.

O lanche escolar visa ajudar a reter os alunos nas escolas, principalmente as do ensino primário. O Coordenador para área de Produção e Alimentação na Direcção Provincial da Educação e Cultura de Sofala, Pedro Macome Júnior, disse que pelo menos 133.150 crianças naquela província deixarão de receber o lanche escolar, a partir de 31 de Dezembro de 2011.

“Este lanche vai terminar apenas nas escolas que recebem o apoio a partir do PMA”, disse Macome, falando a jornalistas a margem do VII Conselho Coordenador do sector da Educação, que decorreu recentemente na vila de Inhaminga, distrito de Cheringoma, em Sofala. Por isso, a retirada do PMA desta iniciativa não significa a paralisação deste projecto em toda a Sofala.

“Por exemplo, nalgumas escolas de Dondo e Nhamatanda o lanche é oferecido pelo PMA em coordenação com a JAM (Joint Aid Management) e no caso destas o que vai acontecer é uma simples substituição do PMA pelo JAM”, acrescentou ele, citado pelo “Diário de Moçambique” da Segunda-feira.

Macome disse que as autoridades vão começar a sensibilizar as crianças e os respectivos encarregados de educação de modo a que não haja desistência nas escolas por causa da falta de lanches. Ele disse ainda que o Governo vai continuar a “lutar” no sentido de desenvolver cada vez mais a produção escolar para se minorar a situação com o término do programa assistido pelo PMA.

Para fazer face a esta situação, as autoridades de Educação em Sofala pretendem promover, com maior vigor, as datas festivas das crianças.

“Nos dias festivos teremos que encontrar uma maneira de sempre alegrarmos as crianças na escola e acredito que esta será uma saída para minorar o impacto que a saída do PMA irá representar”, disse Macome.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!