Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Professor universitário na Nigéria anuncia “remédio” contra sida

O professor universitário nigeriano Isaiah Ibeh anunciou a descoberta de um medicamento à base de plantas “capaz de curar a sida”, noticiou a imprensa local, Quarta-feira (10).

Docente da Faculdade de Ciências Médicas Fundamentais da Universidade de Benin City, no Estado nigeriano de Edo (centro-oeste do país), Ibeh disse que o seu remédio que ele baptizou “Deconcotion X (DX)” foi submetido a uma “série de testes conclusivos”.

“Estamos prestes a escrever a história no sentido de que dispomos de algo que vai curar o que pareceu durante muito tempo desafiar qualquer solução. Estamos a falar da última descoberta na Nigéria de um xarope feito à base de plantas como eventual remédio contra a pandemia do HIV e da sida”, declarou aos jornalistas.

Ele declarou que a descoberta do medicamento começou em 2010, e que o produto “foi testado medicinalmente” na Nigéria e nos Estados Unidos.

“Sobre a eficácia do medicamento, ele reagiu bem aos pacientes que sofrem do vírus do HIV e mostrou provas de regeneração total dos tecidos destruídos”, afirmou.

Os resultados preliminares, disse, mostraram que, nos últimos cinco pacientes a quem o remédio foi ministrado oralmente, “três deles tornaram-se seronegativos, em pouco mais de sete meses, enquanto os dois outros estão ligeiramente positivos”, afirmou.

Ele declarou ainda que os testes foram feitos para determinar em que momento um paciente se torna seronegativo depois de ter recebido uma dose do novo medicamento.

Não é a primeira vez que um especialista nigeriano de saúde reclama a descoberta de um remédio contra a sida. No fim dos anos 1990, o médico nigeriano Jeremiah Abalaka anunciou ter descoberto uma vacina preventiva e curativa contra o HIV/Sida, levantando uma enorme controvérsia.

Ele qualificou contudo a sua vacina de “segredo industrial” e recusou-se a submetê-la a testes, o que provocou efetivamente a dúvida sobre a sua descoberta.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!