Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Procura-se inverter o cenário actual: Seguro funerário ainda é tabu em Moçambique

Procura-se inverter o cenário actual: Seguro funerário ainda é tabu em Moçambique

Foto de Fim de SemanaO seguro funerário e outros serviços associados ainda são pouco explorados pelas seguradoras no País, que apontam os mitos e tabus associados à morte bem como a falta da cultura de seguro no seio da população moçambicana como os principais entraves.

Esta foi a síntese da primeira conferência nacional sobre o seguro funerário e negócios afins, organizada pela MóvelCare, com o apoio da Incubadora de Negócios Standard Bank, FDSMoç e Sanlam Seguros, que teve lugar na terça-feira, 13 de Novembro, na cidade de Maputo.

Este evento contou com a participação de várias instituições que têm um papel crucial a desempenhar no sector de seguros funerários e administração funerária em geral.

Conforme explicou Tauanda Chare, fundador da MóvelCare, uma startup que usa telemóveis, inclusive os que não têm acesso à internet, para garantir o acesso ao seguro de funeral, a conferência tinha como objectivo discutir sobre o seguro funerário no País, bem como instigar às seguradoras e às funerárias a conceberem e oferecerem produtos nesta área.

De acordo com Tauanda Chare, é necessário fazer mais do que as seguradoras fazem actualmente, que é atribuir o valor do prémio do seguro (de vida ou de funeral) ao tomador do seguro ou aos beneficiários em caso de infortúnio.

“Esta conferência visava ajudar as seguradoras e as funerárias a olharem para o mercado de uma outra forma. Elas devem prestar mais atenção à área social, saberem como ajudar as famílias quando perdem um ente querido”, disse Tauanda Chare, que considera este sector rentável, apesar de estar, literalmente, adormecido.

Para o Standard Bank, a falta da cultura de seguro (em particular o seguro funerário) pode estar associada ao facto de a população moçambicana ainda recorrer às formas de poupança tradicional (xitique ou fundo social) para cobrir eventos inesperados, como é o caso da morte.

Para tal, Felda Chunguane, representante do Standard Bank, recorreu aos dados estatísticos divulgados pelo regulador de seguros, o Instituto de Supervisão de Seguros de Moçambique, que indicam que mais de 90% da população activa não têm serviços de seguro.

Por isso, “a conferência afigura-se como uma oportunidade para levar estes serviços a quem não os tem. É de louvar a ideia de organizar este tipo de encontros, onde são debatidas ideias inovadoras para alavancar o sector de seguros”, considerou Felda Chunguane.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!