Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Primeiro-ministro demite ministro da Defesa após confrontos armados em Tripoli

O primeiro-ministro do Governo provisório líbio, Ali Zeidan, anunciou, Quinta-feira (27), a demissão do ministro da Defesa, Mohamed Al-Barghathi, depois de confrontos armados e sangrentos registados Terça e Quarta-feira em Tripoli entre milícias armadas, que fizeram dez mortos, segundo um balanço provisório.

Falando durante uma conferência de imprensa, o chefe do Governo disse nomeadamente que “libertamos o ministro da Defesa das suas cargas e vamos designar, muito brevemente, um novo ministro para o substituir”. Ele anunciou, na mesma ocasião, a nomeação dum novo chefe do Estado-Maior para substituir o general Youssouf al-Mankouch, demissionário.

Evocando os confrontos mortíferos, Zeidan indicou que os mesmos fizeram cinco mortos e 97 feridos, incluindo mulheres e crianças. Ele precisou que os combates foram provocados pelo ataque perpetrado por uma força composta por mais de 100 veículos militares vindos da cidade de Al-Zantan contra dois edifícios situados no bairro de “Abou Salim” e que dependem respectivamente da Alta Comissão da Segurança e da Brigada dos Assessores do Ministério do Interior.

“Um povo que aspira ao desenvolvimento e à democracia não merece tais eventos”, disse o primeiro-ministro, indicando que o Governo e o Congresso Nacional Geral (Parlamento) “condenaram com força estes eventos deploráveis e penosos cujas consequências são negativas no real sentido do termo”.

Ele afirmou que estes confrontos esporâdicos devem-se à circulação das armas entre as mãos das populações civis e que “devemos pôr termo a estas coisas”. Ele anunciou que foi organizada uma reunião na sede do Conselho Nacional Geral para achar as vias e meios susceptíveis de resolver esta questão “com medidas rudes que permitam acabar com a circulação das armas entre as mãos dos civis”.

O encontro, acrescentou, decidou a evacuação, durante cinco dias, da caserna “Yarmouk”, palco dos confrontos, de todas as forças que aí se encontram. As autoridades decidiram igualmente evacuar a grande cidade de Tripoli e os seus subúrbios de todas as milícias ilegais.

Zeidan, cujo Governo não conseguiu restabelecer a sua autoridade nas diferentes cidades do país devido ao desdobramento das milícias, afirmou que as manifestações organizadas sem razão nos sítios petrolíferos e a nivel das estruturas sensíveis do Estado são “actos criminosos”.

Ele precisou, no mesmo contexto que o Governo vai propor um projecto de lei que penalize estes actos ao Congresso Nacional Geral. Apelou, finalmente, aos Líbios para preservar as prerrogativas da nação, “actualmente ameaçadas”.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!