Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Presidente sul-africano pede calma após assassinato de líder da extrema-direita

O presidente sul-africano, Jacob Zuma, pediu este sábado calma após o assassinato do líder de extrema-direita Eugene Terreblanche, afirmando que este crime não deve incitar o ódio racial. “O presidente apela à calma depois deste acontecimento terrível e pede aos sul-africanos que não permitam que agentes provocadores levem vantagem nesta situação ao incitar ou alimentar o ódio racial”, destacou o gabinete de Zuma, em um comunicado, divulgado pela agência de notícias SAPA.

Condenando o homicídio “nos termos mais enérgicos possíveis”, Zuma lembrou que “ninguém tem o direito de impor sua própria lei, sobretudo em um país como a África do Sul, que respeita o Estado de direito”, acrescentou. Os assassinos “não tinham nenhum direito de tirar sua vida”, concluiu o comunicado presidencial.

A agência de notícias SAPA havia informado, mais cedo, com base em informações da polícia, o assassinato de Terreblanche, militante separatista e fervoroso partidário do regime do apartheid, que pregava uma “pátria de brancos”. “O corpo do senhor Terreblanche foi encontrado na cama com ferimentos na face e na cabeça”, informou a porta-voz da polícia, Adele Myburth.

O líder de 69 anos do Movimento de Resistência Afrikaner (AWB, na sigla em inglês), encarnação da oposição branca à abolição do regime racista sul-africano, foi atacado e morto em sua fazenda, no nordeste do país, aparentemente em virtude de uma briga com dois empregados, informou a porta-voz. Os funcionários, de 15 e 21 anos, foram detidos e acusados de homicídio, acrescentou a porta-voz. Ambos “disseram à polícia que a briga aconteceu porque não receberam o pagamento pelo trabalho que haviam feito na fazenda”, completou. Ex-policial e empresário agrícola, Eugene Terreblanche fundou o AWB nos anos 1970.

Defensor da supremacia branca, o movimento ficou conhecido pelos desfiles equestres e os uniformes paramilitares. Sua insígnia, com três aspas, lembrava muito a suástica nazista. Os simpatizantes do extremista se opuseram violentamente às negociações que levaram à democracia sul-africana. A campanha deles incluiu ataques a bomba durante as eleições de 1994. Terreblanche saiu da prisão em 2004 depois de ter sido preso em 2001 por agredir um guarda negro.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!