Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Preços agrícolas mundiais vão evoluir em alta até 2018 (OCDE-FAO)

Os preços agrícolas mundiais vão evoluir em alta durante os próximos dez anos sem que cheguem ao pico alcançado durante a crise alimentar de 2006-2008, indicaram a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômicos (OCDE) e a Agência da Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) em seu informe anual sobre as Perspectivas Agrícolas publicado nesta quarta-feira.

Este ano, os preços agrícolas mundiais prosseguem em níveis elevados mas sem repetir a escalada de entre 2006 e 2008, o que foi motivo de protestos sociais em diferentes partes do mundo. “A persistente desaceleração da economia mundial freará os preços dos produtos básicos nos próximos 2 ou 3 anos, periodo depois do que, com a recuperação econômica, deverão voltar a subir”, destaca o informe, o que beneficiaria países com um setor agrícola forte, entre eles os da América Latina.

Durante os próximos dez anos, os preços de vegetais (cereais, açúcar…) devem aumentar entre 10% e 20% em termos reais em relação à média de 1997-2006, enquanto que os das carnes se estabilizará, destaca o estudo. Para 2018, o preço dos produtos lácteos deverá ser “levemente” mais elevado que durante o período 1997-2006. “Mas, apesar das importantes consequências da crise mundial e da recessão econômica em todos os setores, os especialistas citam uma melhoria relativa da agricultura.

O aumento de 40% da produção agrícola mundial para 2018 não parece ser “irrealista” desde que forem feitos os investimentos necessárias, enfrentando-se alguns riscos “importantes”, entre eles o que diz respeito a recursos hídricos, afirmam as duas organizações.

O informe adverte sobre os riscos de “estresse hídrico” vinculado à mudança climática (inundações, secas…) quando o setor agrícola já utiliza 44% do total de água consumida nos países da OCDE e mais de 60% em outros países. As duas instituições destacam a urgência de “garantir a segurança alimentar” num momento em que quase um bilhão de pessoas ainda passam fome no mundo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!