Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Publicidade

PGR está “acompanhar publicação nas redes sociais” e não tem data para divulgação de relatório da Auditoria a Proindicus, EMATUM e MAM

PGR continua ignorar violação da Constituição e da Lei do Sistafe no processo das dívidas ilegais

Foto de Adérito CaldeiraEnquanto o povo moçambicano desespera pagando as dívidas inconstitucionais e ilegais da Proindicus, EMATUM e MAM o Ministério Público parece ter os seus esforços concentrados nos boatos que proliferam na internet. “Temos estado a acompanhar a publicação nas redes sociais de supostos ofícios da Procuradoria-Geral da República e relatório da Auditoria realizada numa clara manipulação da opinião pública” disse o porta-voz da instituição de Justiça que revelou não existir data prevista para a divulgação do relatório final da Auditoria às três empresas estatais, pois o mesmo continua a ser analisado “para aferir a sua conformidade com os termos de referência”, termos esses que não são de conhecimento público.

Depois de uma lista com os nomes de importantes funcionários do Estado que a Procuradoria-Geral da República(PGR) alegadamente teria pedido a quebra do seu sigilo bancário, de algumas páginas do relatório da Kroll, foi disseminado nos últimos dias pelas redes sociais, dentre vários boatos, uma carta supostamente escrita por Beatriz Buchili, e endereçada a antiga embaixadora da Suécia em Moçambique, onde a Procuradora-Geral partilhava que sua “principal dificuldade” no âmbito da Auditoria estaria relacionada com um alegado “envolvimento de sua Excelência Filipe Jacinto Nyusi”.

A Procuradoria-Geral da República, que oficialmente não está presente nas redes sociais, convocou nesta quarta-feira(24) um conferência de imprensa para chamar atenção que está a monitorar o que os moçambicanos escrevem e partilham pela internet.

“Temos estado a acompanhar a publicação nas redes sociais de supostos ofícios da Procuradoria-Geral da República e relatório da Auditoria realizada numa clara manipulação da opinião pública sobre a matéria, para além de por em causa a imagem e o bom nome de entidades exercendo cargos públicos e cidadãos neles referenciados, insinuando documentos assinados pela Procuradora-Geral da República e com menção do Chefe de Estado”, começou por afirmar Orlando Generoso, o novo porta-voz do Ministério Público.

Além de distanciar-se desses boatos a Procuradoria-Geral da República chamou a atenção dos moçambicanos para o facto de a publicação e circulação de documentos falsos e caluniosos, “conferindo-lhes o teor e características oficiais de instituições com o objectivo de desvirtuar a verdade podem consubstanciar infracções de natureza criminal, estando em curso a investigação visando a identificação e responsabilização dos seus autores, contando com a colaboração de instituições congéneres estrangeiras e outras especializadas em matéria das tecnologias de informação e comunicação”.

Desde Janeiro último que está em vigor uma nova lei que regula as actividades efetuadas via plataformas digitais. Importa ainda recordar que o @Verdade revelou ter sido instalado em Moçambique, há pelo menos 3 anos, um sistema que permite ao Governo monitorar e controlar todas as comunicações electrónicas efectuadas no país.

PGR garante que sua actividade não tem nada a ver com partidos políticos

Foto de Adérito CaldeiraEntretanto sobre o ansiado relatório final da Auditoria realizada as três empresas estatais que endividaram Moçambique em mais de 2 biliões de dólares norte-americanos, violando a Constituição da República e as leis orçamentais de 2013 e de 2014, a PGR declarou que “está ciente da expectativa que paira na sociedade em torno dos resultados da Auditoria e apela a calma e serenidade”.

De acordo com Orlando Generoso o relatório que deveria ter sido entregue em Fevereiro mas só foi entregue no passado dia 12 de Maio ainda está a ser analisado pela Procuradoria-Geral da República e pelos auditores da Kroll, “para aferir a sua conformidade com os termos de referência”.

Acontece que o mencionados termos de referência são secretos e os moçambicanos, que não acreditam na sua Justiça, principalmente quando se trata de responsabilizar os “tubarões”, desconfiam do sobre que aferição estará em curso.

Aliás há fortes indícios que o relatório completo da Kroll deverá ser apreciado durante a IV Sessão Extraordinária do Comité Central do partido Frelimo, que vai acontecer nos das 26 e 27 de Maio, embora o porta-voz da PGR tenha garantido que “a nossa actividade não tem nada a ver com partidos políticos”, e só depois poderá ser tornado público, com as já anunciadas salvaguardas do segredo de justiça, portanto sem os nomes dos responsáveis pelas dívidas.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!