Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Pesquisa de carvão continua em Maniamba

Avaliações preliminares apontam para a existência de grandes quantidades de carvão mineral térmico na bacia de Maniamba, distrito do Lago, na província do Niassa, onde pelo menos sete empresas estão a desenvolver actividades de prospecção, afirmou, terça-feira, em Maput,o o director Nacional de Minas no decurso da II Conferência Internacional sobre a Exploração do Carvão.

Eduardo Alexandre disse que os primeiros relatórios de pesquisa entregues em 2010 ao Governo não fornecem dados numéricos sobre as reservas existentes na bacia, acreditando-se que estejam disponíveis nos próximos 24 meses.

A bacia de Maniamba ocupa uma área total de quatro mil quilómetros quadrados, sendo que os estudos até aqui realizados cobriram apenas 870 quilómetros quadrados. Estende-se da costa do Lago Niassa em direcção a Lupilichi, Norte do distrito do Lago, junto a fronteira com a Tanzânia.

A convicção sobre a existência de grandes quantidades de carvão na zona fundamenta-se, segundo Eduardo Alexandre, no facto de no lado tanzaniano, país com o qual Moçambique partilha a bacia de Maniamba, terem sido realizados estudos que comprovam a existência de interessantes reservas daquele minério.

“Sete empresas estão a fazer a prospecção e pesquisa na bacia, incluindo a Vale e a Riversdale, que também têm projectos na província de Tete que deverão entrar na fase de exploração ainda este ano. Pelos dados que temos acreditamos que na bacia de Maniamba há um grande potencial de carvão, tal como há na bacia do Zambeze”, afirmou Alexandre.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!