Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Pergunta à Tina: quais são os riscos que alguém do grupo sanguíneo B- corre no período de gestação?

Pergunta a Tina: sexo oral prejudica a saúde ou não?

Bom dia Tina, queria saber quais são os riscos que alguém do grupo sanguíneo B- corre no período de gestação ou se há cuidados a tomar com esse grupo sanguíneo?

Os grupos sanguíneos são classificados como A, B, AB e O. Para além dessa classificação, diz-se que o sangue é Rh-positivo ou Rh-negativo, conforme os glóbulos vermelhos possuam ou não, uma proteína chamada antígeno D. Assim, temos sangue Rh-negativo (sangue A-, B-, AB- ou O-) e sangue Rh-positivo (A+, B+, AB+ ou O+).

Os riscos para a gestação estão essencialmente relacionados com a classificação Rh, especialmente quando o sangue da grávida é Rh-negativo. Portanto, independentemente de ser A, B, AB ou O, o que envolve riscos para a gestação é o Rh ser negativo (felizmente, só 5 a 15 por cento das pessoas tem Rh-negativo). Se o pai também for Rh-negativo, não há problema nenhum. Mas, quando o pai é Rh-positivo, portanto incompatível com o sangue Rh-negativo da grávida, então surgem os riscos para a gestação.

Normalmente, o tipo de sangue da grávida não afecta a primeira gravidez. O problema surge se o primeiro filho for Rh positivo como o pai, e o sangue deste bebé tiver entrado em contacto com o sangue da mãe, por exemplo durante o parto, e especialmente se for por cesariana. Neste caso, o organismo da mãe reage à presença de um sangue “estranho” (Rh-positivo), incompatível com o seu próprio (Rh-negativo) e produz substâncias (chamadas anticorpos anti-Rh positivo) para se “defender” do sangue Rh-positivo. Na sequência disto, se esta senhora engravidar uma segunda vez, e o novo feto também for Rh-positivo, então os anticorpos anti-Rh positivo da grávida, vão causar problemas no feto, incluindo doenças graves e até a morte.

Felizmente, há tratamentos que evitam a produção destes anticorpos, a chamada imunoglobulina anti-D. Esta destrói qualquer célula sanguínea do bebé que esteja eventualmente na circulação da mãe, antes que ela comece a produzir anticorpos. Normalmente, faz-se uma ou duas injecções destas, umas semanas antes do parto, ou alternativamente uma injecção, até 3 dias após o parto.

Deste modo se previnem complicações nas gestações seguintes.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!