Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Parlamento debate Conta Geral

A Assembleia da República (AR), o parlamento moçambicano, debateu na segunda-feira a Conta Geral do Estado de 2008, cuja respectiva resolução deverá ser aprovada esta terça-feira. As duas principais bancadas parlamentares, nomeadamente a da Frelimo, que é a maioritária, e a da Renamo, a maior da oposição, manifestaram, a semelhança do passado, posições contrárias.

Apesar de o relatório do Tribunal Administrativo (TA), o órgão que verifica a legalidade das despesas públicas, apontar a prevalência de algumas irregularidades na execução da conta de 2008, a Frelimo considera que a mesma registou avanços comparativamente aos anos anteriores, enqu

anto a Renamo defende que a conta foi gerida “ruinosamente” e, por isso, deveria ser “chumbada”. O parecer da Comissão do Plano e Orçamento (CPO) apresentado na plenária de hoje pelo deputado Eneas Comiche refere que a Frelimo considera que a qualidade da Conta de 2008 evoluiu positivamente pela introdução e uso de instrumentos de gestão de finanças públicas importantes, tais como a Conta Única do Tesouro (CUT). Segundo esta bancada parlamentar, durante o exercício de 2008 prosseguiu-se com a descentralização da execução orçamental por via do Sistema de Administração Financeira do Estado (SISTAFE), que passou a cobrir 53 órgãos e instituições do Estado de âmbito central,

147 de âmbito provincial e 31 administrações distritais. Esta descentralização resultou em melhorias na qualidade e tempo de execução das despesas de funcionamento e da componente interna de investimento. Para a Frelimo, verificou-se que a introdução destes instrumentos permitiu também avançar com o pagamContinuar…ento de salários por via directa, com base no cadastro dos funcionários do Estado em 22 órgãos e instituições do Estado de âmbito central.

Contudo, esta mesma bancada reitera a necessidade de se melhorar o nível e conteúdo de informação sobre projectos financiados externamente, de forma a melhorar o seu registo e execução. “Apesar das melhorias, a execução da componente externa de investimento continua a ser preocupante e a merecer atenção por parte do Governo”, afirma o grupo parlamentar da Frelimo

na CPO. Assim, considerando estas e outras questões, a Frelimo reiterou que a Conta de 2008 tem “mérito”, pelo que recomenda a sua apreciação positiva. Enquanto isso, os parlamentares da Renamo na CPO discordam com o facto de a Conta não conter comprovativos das receitas referentes aos abates e vendas de bens do Estado.

Ainda de acordo com a Renamo, na execução do orçamento na área de investimentos, o Governo ultrapassou os limites e executou projectos não inscritos no mesmo orçamento, o que viola o disposto na lei do SISTAFE. Para a Renamo, o Governo também deve envidar esforços na cobrança dos valores cedidos a privados a partir do tesouro. ALGUMAS CONSTATAÇOES DO TA O Tribunal Administrativo (TA) arrolou no seu relatório sobre o grau de execução da Conta Geral de 2008 algumas questões que carecem de acção do Governo.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!