Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Toma que te dou: Para onde vos dirigis?

Sacudiu a poeira dos tempos da guerra dos 16 anos, que dizimou vidas às centenas de milhares e plantou paredes que ainda se mantêm até hoje por todo o lado, deixando no seu rasto as poeiras de sangue que hoje submergem das estradas e dos sopés das montanhas, e virou-se para a multidão que o escutava no palanque implantado na margem sul do rio Save: “Seus desgraçados, para onde vos dirigis? Acaso não sabeis que há perigo na próximo esquina? Porventura não percebeis que ninguém vos protegerá quando a pólvora se libertar? Quem vos disse que essas armas que vos escoltam servirão para vos salvar? Porque teimais em seguir a vereda da morte no lugar de vos manterdes nas vossas pobres casas, ou levantardes para apanhar os restos do banquete deles? Porquê?”.

Os camiões de carga e os autocarros de passageiros e as viaturas ligeiras estão perfilados sem ninguém no seu interior. O mar de gente está cá fora entre o medo e a estupefacção de ver e ouvir um homem que fala por sobre um palanque a cair: “E vocês, jovens, são para quê essas armas engatilhadas? Conheceis a história de Abel e Caim? Eu sei que não sabeis nada dessas parábolas, pois se tivessem conhecimento delas teríeis recusado pegar nas balas e na pólvora e nos carros blindados para matardes os vossos irmãos. Vós não sabeis de nada, e pior do que isso, não quereis escutar o que vos digo, seus pobres de espírito”.

No leito do rio Save o que sobrou é um fiapo de água que corre, lento, como uma lesma insignificante. Os crocodilos que lá viviam fugiram para outras águas e os que tentaram resistir morreram asfixiados na lama. Há mais carros que vão chegando seguindo a direcção norte-sul. Há muitas mulheres entre a multidão, que pretendem seguir os seus destinos ao encontro da subsistência. Têm os lombos cingidos, como se toda aquela coragem que transparecem fosse capaz de contrariar o terror que as espera na estrada, onde as feridas já estão cansadas de esperar. Ninguém fala, nem cochicha, nem tosse.

As próprias moscas que poderiam estar a zumbir ou a poisar por sobre as marmitas onde cheira a comida preparada para a merenda fugiram do odor da pólvora. As nuvens também voaram, deixando o céu completamente limpo para dar vazão ao brilho do astro-rei. Quer dizer, reina um silêncio incaracterístico que agora, uma vez mais, é quebrado pela voz poderosa do homem que oscila no estrado: “Eu vim aqui com estas cítaras e trompetas para oferecer a vós, jovens militares.

Ou melhor, o que eu pretendo é trocar estes instrumentos que embevecem, com os vossos estúpidos artefactos. Mas o que vejo é que estais decididos a ir ao encontro da morte, como se Deus de Jacob e de David e Abrahama vos tivesse feito para morrerdes. Ademais, o que é difícil entender é que, no lugar de seguirdes a vocação de construir pontes e abrir janelas e portas, estais a fortificar as paredes semeadas nos dezasseis anos de carnificina. De genocídio. Seus pobres de espírito!”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!