Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Operação Tunísia

Operação Tunísia

Pela segunda vez na história, Moçambique vai bater-se com a forte formação da Tunísia. Em termos de estilo de jogo, as duas selecções são bastante semelhantes: muito toque de bola, defesa sempre atenta e jogo apoiado. Tacticamente, porém, revelam algumas diferenças, num jogo que vai opor duas ideias sobre o futebol; os tecnicistas que souberem mudar de velocidade poderão fazer, em campo, a grande diferença.

Os Mambas vão defrontar uma selecção que joga num conservador 4x3x1x2 herdado dos tempos de Roger Lemerre, que, muitas vezes, para segurar o jogo, recua para 4x4x1x1, confirmando ser, na sua essência, uma equipa muito defensiva mas, quando joga diante do seu público, ganha maior pendor atacante.

Contudo, o maior inimigo para a selecção de todos nós, os Mambas, vai morar nas bancadas, sob a forma de um público que explode de alegria, levantando bandeiras vermelhas, com a lua e a estrela desenhadas, símbolo nacional da nação tunisina. Embora não seja, longe disso, a selecção que melhor futebol pratica na chamada África branca, a consistência do futebol tunisino tem uma explicação lógica e reside, ao fim e ao cabo, na adaptação do estilo técnico-táctico europeu, moldado pelo treinador português, Humberto Coelho, ao seu futebol, já de si, pela secular influência francófona, apoiado e de toque curto, com rosto europeizado.

É um estilo que contrasta com o dos Mambas, que exibem, desde que chegou o seleccionador holandês, Mart, um futebol mais atraente e adornado tecnicamente.

E os Mambas…

Após um conturbado início, com a derrota humilhante frente ao Botswana e a grande penalidade desperdiçada por Dário na primeira fase, Moçambique foi uma selecção de contrastes. Tecnicamente perfeita, mas tacticamente quase anárquica. Mantendo no seu meio campo Hagy e Simão, o onze de Mart carece de quem ordene o seu enorme talento, algo só esboçado, a espaços, quando Genito pega na bola na zona central do meio campo, adianta-se com ela, levantando a cabeça e indicando as linhas de passe a executar.

Com Tico-Tico a poder começar no banco, presume-se que o sistema será um 4x2x2x1x1 que, pela falta de mecanização a meio campo, se estende numa espécie de 4x1x2x2x1, com um trinco (Simão), um interior esquerdo (Miro), que combina nas manobras defesa-ataque com o lateral Paíto, um interior direito (Dominguez), um playmaker (Genito) e um homem mais adiantado, Dário, jogando de costas para a baliza, como um ponta de lança moderno, apesar de, muitas vezes, recuar ou procurar as faixas para abrir espaços a Dominguez e Genito.

Humberto Coelho chamou 25 Jogadores

O português Humberto Coelho, 34º seleccionador nacional da Tunísia desde a Independência do país da França, em 1956, está a trabalhar com 25 jogadores com vista à ‘operação’ Mambas, marcado para as 19h de sábado, – horário moçambicano – em Redas.

O grosso dos convocados milita nos principais clubes tunisinos, dos quais se destaca o Esperance de Tunes, campeão nacional da presente temporada.

Extra-muros, há a destacar os jogadores provenientes de equipas da Alemanha, Inglaterra, França e Espanha.
Refira-se que para o embate com os Mambas apenas 18 vão fazer parte da lista de convocados. 

 

Eis, na íntegra, os 25 escolhidos para esta fase:

Aymen Matthlouthi (Etoile do Sahel)
Jassem Khaloufi (Clube Sportive Sfaxien)
Sami Allagui (Gruther Furt, Alemanha)
Tijani Belaid (Slavia de Praga, República Checa)
Fahed Bem Khalfallah (F.C Caen, França)
Wissem Ben Yahia (Club African)
Anis Boussaidi (Club Red Bulls, EUA)
Amine Chermite (Herta de Berlim, Alemanha)
Oussama Darragi (Esperance de Tunes)
Radhouane Felhi (Etoile do Sahel)
Med Ali Ghariani (C.S.H Lif, Alemanha)
Seif Ghezel (Young Boys, Argentina)
Karim Hagui (Bayern Leverkusen, Alemanha)
Chadi Hammami (Club Sportive Sfaxien)
Biel Ifaa (Club African)
Radhi Jaidi (Birmingham, Inglaterra)
Ammar Jmel (Etoile do Sahel)
Issam Jomaa (R.C. Lens, França)
Khaled Korbi (Esperance de Tunes)
Yassine Mikari (F.C Sochaux, França)
Lassad Nouioui (Deportivo da Corunha, Espanha)
Houcine Ragueb (R.A.E.C Mons, Bélgica)
Khaled Souissi (Club African)
Ali Zitouni (Antalya Sport, Turquia)

Curiosidades:

Tunísia em casa (Qual. Mundial (CAF)
41 Jogos, 31V  7E  3D (Golos: 96-22)
Média de Golos Marcados: 2, 34/J  Média de Golos Sofridos: 0,54/J
2 Vitórias Consecutivas
2 Jogos sem perder
Última Derrota: 2008-06-01 Tunísia 1-2 Burkina Faso (desde então: 2V 0D)
Última Vitória: 2008-10-11 vs Seychelles  5-0
20 Jogos consecutivos a marcar golos
Perdeu apenas um dos últimos 20 Jogos
Venceu 15 dos últimos 18 Jogos
Empatou 3 dos últimos 31 Jogos
______________________________________

Moçambique fora (Qual. Mundial (CAF)
9 Jogos, 1V  1E  7D (6-20)
Média de Golos Marcados: 0,67/J  Média de Golos Sofridos: 2,22/J
2 Jogos sem Perder
Última Derrota: 2008-06-01 vs Costa do Marfim 1-0 (desde então: 1V 1E)
Última Vitória: 2008-10-11 vs Botswana 0-1
Venceu apenas 1 dos últimos 9 Jogos

Eis, a lista dos escolhidos:

Francisco Massinga (Wiski) – Ferroviário de Maputo
Momed Hagi (Hagi) – Ferroviário de Maputo
Carlos Parruque (Danito) – Ferroviário de Maputo
Josimar Machaisse – Costa do Sol
Manuel Bucuane (Tico-Tico) – Jomo Cosmos F. Club
Almiro Lobo (Miro) – Platinum Stars F.C
Simão Mate Junior – Panathinaikos F.C
Celso Abdul (Mano) – Ennppi Footbal Club
Dário Khan – Ismayla Footbol Club
João Rafael (Kampango) – Tersana Footbal Club
Fanuel Massingue – Liga Muçulmana
Samule Campira – Maxaquene
Helder Pelembe – Maxaquene
Mustafa Ismael – Maxaquene
Dário Monteiro – Mamelodi Sundowns
Elias Pelembe (Dominguez) – Super Sport United
Martinho Mucana (Paíto) – Sion
Eugénio Bila (Genito) – Honved Budapest

 

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!