Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

OIT denuncia que 168 milhões de crianças são forçadas a trabalhar

O director da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Guy Ryder, disse nesta quarta-feira que “é inaceitável” que o trabalho infantil seja ainda uma realidade para 168 milhões de crianças no mundo, das quais 85 milhões realizam tarefas perigosas.

“É evidente que o trabalho infantil não acontece nos mercados regulados, mas a realidade é que esta prática está estendida nas cadeias de produção”, denunciou Ryder em ocasião do Dia contra o Trabalho Infantil, que é lembrado em 12 de Junho.

Num discurso na conferência anual da OIT, que é realizada em Genebra, Ryder explicou que o trabalho infantil ocorre principalmente nas economias pequenas e rurais, nas quais não há inspecções de trabalho e nem organizações que protejam os direitos dos trabalhadores.

Ryder disse que dos 168 milhões de menores que são obrigados a trabalhar, 99 milhões realizam tarefas no sector agrícola e o resto em actividades que abrangem mineração, manufactura e turismo.

Outro importante factor de risco que dá lugar ao trabalho infantil é a situação económica das famílias, que se vêem obrigadas a contar com o trabalho de seus filhos para poder sobreviver, acrescentou.

“Há casos nos quais apesar de as famílias contarem com negócios ou fazendas, não reúnem dinheiro suficiente por mês para contratar a alguém em idade de trabalhar, por isso que necessitam da mão -de-obra de seus filhos”, afirmou o responsável da OIT.

Embora muitas grandes empresas tomem medidas para evitar esta prática em suas cadeias de fornecimento globais, Ryder lembrou que muito trabalho infantil ocorre em cadeias de produção para o consumo local e nacional, uma problemática que tende a ser ignorada.

No entanto, também considerou que “há sinais de esperança de que exista vontade para actuar e evitar o trabalho infantil, aumentar a transparência na cadeia de produção e aplicar melhor as leis”, concluiu.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!