Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

O vendedor que quer ser cantor de Pandza/Dzukuta

Natural de Mocuba, província da Zambézia, aos 15 anos descobre a paixão pela música, aos 18 começa a compor as suas primeiras letras, com 19 vê-se forçado a abandonar a escola e aos 22 vem para Maputo em busca de oportunidades.

Temente a Deus, optimista e com um desejo enorme de cantar, assim é Tonis Abílio, ou simplesmente Toni, jovem vendedor de produtos de primeira necessidade em tempo parcial no mercado da Malanga. Toni confessa que quando era criança sonhava em seguir a carreira de advocacia, mas aos 15 anos descobre que a música é a sua verdadeira vocação e procura expressar-se através dela.

Entretanto, à medida que o tempo ia passando e, sobretudo, com o surgimento do estilo musical pandza/dzukuta, a paixão pela música foi-se intensificando. Diz que teve uma infância igual a qualquer outra criança moçambicana que vive na zona rural sem condições financeiras, enfrentando diariamente dificuldades sem fim e à mercê do que a terra pode dar.

“Desde pequeno tive de aprender a lutar pela sobrevivência, mas nunca deixei de confiar em Deus e agradecer-lhe por me dar forças para lutar”, afirma Toni que acrescenta ainda que teve de abandonar a escola logo após ter feito a 9ª classe porque os seus pais não tinham condições para que ele continuasse com os seus estudos fora da localidade onde morava.

“Dou graças a Deus por ter atingido a 9ª classe, pois sem Ele não teria conseguido tal feito, uma vez que passei por sérias dificuldades”, revela. Jovem destemido, sonhador, autoconfiante e a par dos acontecimentos nacionais e internacionais, Tonis Abílio diz que “sinto a música dentro de mim” e que, aliás, vezes sem conta, durante o seu repouso matinal, tem sonhado a actuar para uma plateia repleta de espectadores que deliram com as suas músicas. “Se hoje os EUA são uma potência, isso deve-se, por um lado, aos músicos e nós também podemos desenvolver o nosso país através da música”, comenta num tom enérgico.

Actualmente com quase 23 anos de idade, Toni diz que começou a escrever as letras das músicas aos 18, mas ainda não teve o prazer de entrar num estúdio de gravação, não obstante dispor de mais ou menos 10 letras musicais prontas para gravar. Segundo nos confidenciou, as suas letras abordam o quotidiano da sociedade moçambicana, exaltam a mulher e aconselham os seres humanos a optarem pela honestidade e a acreditarem nos seus sonhos.

Dentre as letras já escritas, o nosso interlocutor destaca duas, uma que leva o título de “Mana moça” e outra “Obrigado Senhor” porque a primeira acredita que se tornará num verdadeiro hit e, a segunda, por agradecer a Deus pela força e pelo perdão dos erros cometidos no passado.

Quisemos saber sobre quais foram esses erros do passado, mas Toni preferiu não falar disso garantindo-nos que se trata de falhas comuns que qualquer ser humano consciente ou inconscientemente pode cometer. Aprecia as músicas de Dj Ardilles, admira o timbre da voz de Danny OG, mas diz que se inspira no Ziqo e admite ainda que faz parte dos seus sonhos cantar ao lado deste músico, produtor e um dos precursores do estilo musical pandza/ dzukuta.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!