Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

‘@Verdade EDITORIAL: O jornalismo do tacho

Tem vindo a lume, nos últimos dias, a notícia do insucesso da greve dos médicos. Não sabemos se há algum fundamento nestas notícias veiculadas por órgãos públicos e analistas do regime, mas desconfiamos que não, até porque é prematuro falar do que quer que seja em relação à greve antes de se saber quais são e serão os seus reais impactos. O número de mortos que resultou da greve será guardado a sete chaves e apenas em Abril saberemos, mesmo que não nos digam, se o salário estará perto do exigido.

Na verdade, o insucesso da greve dos médicos já tinha sido profetizado pelos apóstolos da graxa. Só que da profecia à realidade, quando esta nasce das lentes turvas dos nossos “analistas” políticos, mora um abismo monumental. Diante, portanto, da impossibilidade de ver realizada a bendita profecia os sisentinhos da auto-estima passaram a relatar veemente o fracasso da greve. Gritavam feito loucos que “o serviço nacional de saúde” estava a funcionar muito bem, como se alguma vez o tivessem feito.

O conteúdo do e-mail tornado público pelo jornalista Lázaro Mabunda, segundo o qual os textos da Agência de Informação de Moçambique em relação à greve dos médicos tinham de ser aprovados pela assessora do Primeiro- -Ministro, diz muito do tipo de órgãos de informação que o país possui e do carácter dos responsáveis desses mesmos órgãos.

Este e-mail veio deixar claro que as notícias são escritas de um modo absolutamente especulativo e tendo como fundamento o facto de que as urgências continuam a funcionar. Na verdade, este é um “equívoco” propositado, o de avaliar a greve em função do funcionamento das urgências pois, desde o início, a AMM revelou que a mesma não englobava sectores.

Ou seja, não abrangeria os serviços sensíveis como urgências, pediatria e ginecologia… Porém, há quem quis, para salvaguardar o tacho, escamotear esta verdade e assim ridicularizar a luta de uma classe que clamava pelos seus direitos.

Infelizmente, esta é uma cartilha seguida por vários órgãos de informação alinhados que, na urgência de produzir novidades jornalísticas e desanimar os médicos, foi transformada em notícia. O que é cobarde e constitui um atentado intelectual é que este tipo de notícia condiciona opiniões e cola rótulos que, a maior parte dos leitores, por não ter convicções fortes, aceita facilmente.

O caso da referida agência de informação e a promiscuidade do seu dirigente não é certamente o mais grave, mas é um exemplo perfeito de como, às vezes, uma opinião aparentemente inocente tem um lado criminoso.

Toda a pessoa de bom senso deve ser alertada para este tipo de coisas. Porque a diferença entre uma opinião sensacionalista e uma opinião informada é, muitas vezes, uma coisa ténue.

Publicar uma notícia com este grau de irregularidade, ainda por cima eivada de preconceitos e claramente tendenciosa (referindo-se por exemplo com desdém ao líder da Associação Médica de Moçambique para salvaguardar viagens com o Chefe de Estado), é algo que condiciona fortemente quem lê e não tem espírito crítico para contestar o que lê.

Este tipo de acção constitui, na verdade, um atentado intelectual e é uma das mais perigosas consequências do poder do Estado sobre os órgãos de informação alinhados. Assim se constroem mitos e se manipulam verdades. Assim se inflacionam ideias e se conquistam simpatias.

É por causa de coisas como estas que as opiniões erradas abundam na praça pública. Não criar condições para uma educação de qualidade é um dos trunfos para manter o povo sem espírito crítico e assim continuar a escrever e a difundir atrocidades como estas. Lamentavelmente, claro. Ainda que tudo isto, a avaliar pela “vitória dos médicos, tenha dias contados.

O poder sempre foi um castelo de areia. Só precisa, como tudo, de um pouco mais de vento.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!