Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

ADVERTISEMENT

O caótico trânsito na capital do país, é… Um inferno a “rebentar pelas costuras”

Óctuplos nascidos nos EUA já respiram sem aparelhos

A cada dois minutos, um automóvel é registado no país. Isso significa que por hora entram cerca de 30 automóveis, por dia 720, por mês 21.600 e por ano 259.200. Estas médias são do ano de 2008. E porque o crescimento anual tem sido de 10%, as previsões apontam para uma entrada de 281.120 automóveis em 2009. E aqui estamos a falar só de veículos manifestados e com a documentação em dia. Não dos ilegais. Perante a situação de desorganização, compadrio, cunha e corrupção em geral que campeiam, pode calcular-se que se “acotovelam”por aí 300 mil veículos, com maior incidência na cidade capital, Maputo. São carros, carros e mais carros em circulação, alguns deles a queimarem mais óleo que gasolina.

O cenário de Maputo e Matola, é preocupante. Diariamente, a luta é frenética, tanto para se circular como para se estacionar. A média de acidentes cresce a cada dia, com os “chapa-cem” a comandarem o “ranking”. Da falta de vistoria às condições de circulação dos carros, resulta um outro mal: a poluição. E se a tudo isso juntarmos a malcriadez de alguns condutores, as inversões de marcha despropositadas, as entradas em sentido proibido e as passagens com o sinal vermelho, facilmente se imagina o “inferno” a que o citadino se vai habituando. Pelo número galopante de entrada de viaturas, novas ou usadas, ninguém poderá prever no que se transformará o trânsito daqui a alguns anos. Um fenónemo a exigir medidas urgentes, apontadas para o descongestionamento.

A gasolina está cara. As peças são vendidas a preços incomportáveis. As “máquinas” de alta cilindrada e versão recente são o alvo preferencial dos assaltantes à mão armada. Porém, estes factores, não são suficientemente impeditivos para que os maputenses – mesmo os da chamada classe média/baixa – coloquem na crista das suas prioridades, a compra de uma viatura!

Carapaus e
dubaizinhos

A partir da altura em que a África do Sul começou a limitar a importação de carros usados, protegendo e estimulando a compra de veículos novos de fabrico local, os vendedores de viaturas em 2.ª mão mudaram-se, com “armas e bagagens”, para o nosso País. De um dia para o outro, a competição entre “stand’s” de vendas de viaturas usadas passou a ocupar tudo quanto era espaço vazio, com os preços de cada carro a rondarem entre os 30 a 45% do que se pagaria por uma viatura nova. Um cenário que alarga o leque de potenciais compradores ao cidadão de salário médio.

Aqui começa a cair por terra a recusa em transformar o País num “armazém de sucatas” como um dirigente uma vez catalogou a importação dos carros em segunda mão. O fenómeno, ao que parece, veio mesmo para ficar.

E eles aí estão, a desfilar. Há de tudo um pouco. Os 4×4, 4×2, os dubaizinhos e os carapaus, vendidos diariamente, já com matrícula nacional. Nos jornais, ou colados nos vidros das viaturas, a oferta é permanente. Até já se compra a prestações, com cheques pré-datados ou noutras modalidades.

E quem os compra? Funcionários médios que não tem direito a carro da empresa, pequenos comerciantes, jovens recém-formados e os chamados “ministros das finanças” de certas moças, com posses para oferecer uma viatura como prenda à… “casa dois”!

Do outro lado da “barricada”, sentindo-se vitimados por uma concorrência que consideram desleal, os agentes de viaturas novas desdobram-se em arranjos, criando modalidades e “leasings” em que “não é preciso fazer ginástica”.

Senhoras ao volante

Os tempos mudaram e elas já se sentem bem ao volante. As escolas de condução registam o facto de, cada vez mais, o número de damas candidatarem-se à carta de condução ser cada vez maior. Inclusivé para pesados e profissional. Estamos em presença de uma clara demonstração de que elas já “mandaram às urtigas” a velha máxima do sexo fraco.

Nas avenidas de Maputo, seguramente, mais de 35% dos condutores são do sexo feminino. E têm-se saído bem porque, em regra, são cuidadosas. Se antes, fruto de algum machismo, quando alguém visse uma senhora ao volante encostava a sua viatura à berma, hoje elas dão cartas, desfilando em viaturas de médio e grande porte, com um à vontade de fazer inveja a muitos homens.

A tortura de guiar e estacionar na capital

Da Matola para Maputo, a longa bicha começa na portagem e não termina mais. É a dor de cabeça do “para-arranca-pára-arranca” até ao coração da cidade. Vindo de Marracuene, via Estrada Nacional Número Um, o cenário é ainda pior. Depois, vem a mãe de todas as batalhas que é encontrar um lugar para estacionar. Cada palmo de terreno é disputado com nervosiasmo. E não falta quem estacione em lugares proibidos, mesmo sabendo que o reboque da Polícia Municipal anda muito activo.

 

Ao ritmo que cresce o parque automóvel, o inferno de conduzir e estacionar na capital do país, vai continuar em crescendo. Algumas medidas como o parque de estacionamento municipal e outros que se projectam, não passam de paliativos para uma doença que se agrava aos olhos de todos.

 

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!