Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

O calvário de Simbine

Ser fotógrafo profissional foi desde sempre a ambição de Celso Simbine, um jovem de 25 anos a viver no bairro FPLM, na cidade de Maputo. Contudo, a vida negou-lhe esse desejo e transformou o sonho em pesadelo: um calvário que começou em 2001 quando contraiu a cegueira.

Aos 25 anos de idade, a vida de Nelson Simbine é feita por lutas, sacrifícios e, sobretudo, por “muita esperança”. Ao todo passam nove anos desde que aquele jovem perdeu a vista. Tinha 17 anos e frequentava a nona classe quando o destino ditou a sentença. Os seus dias nunca voltaram a ser como antes. Não apenas porque deixou de contemplar o mundo à sua volta, mas, mormente porque se viu obrigado a abandonar tudo aquilo de que mais gostava de fazer, incluindo os seus sonhos: Além da reparação de máquinas fotográficas e outros aparelhos electrónicos, Simbine era um fotógrafo amador e pretendia seguir a carreira até se tornar profissional.

Os rendimentos do ofício permitiam-lhe colaborar nas despesas de casa e com o remanescente custeava os seus estudos. Mas quando ficou cego e porque “tudo o vento levou” os obstáculos à sobrevivência cresceram exponencialmente. O seu novo estado turva-lhe o discernimento ao ponto de se considerar “um fardo” para os seus. Para quem, nem nas piores previsões, a cegueira foi considerada uma hipótese, o novo estado rebentou com estrondo. Ou seja, a perca de autonomia corrói, de forma inexorável, os poucos resquícios de lucidez que lhe sobram. Até porque: “O que mais me preocupa é o facto de não conseguir ser dono de mim mesmo. Sintome como uma cruz pesada nas costas dos meus familiares e por isso acho que sou o responsável pela situação precária em que vivem”, desabafa e acrescenta que “às vezes penso em abandonar a escola para trabalhar”.

Viver ensinando os outros cegos…

Hoje em dia, muitos deficientes visuais optam pela esmola como caminho para a sobrevivência, mas Celso é diferente. Nas horas vagas vive ensinando os outros cegos a dominar o Braille. Tenta ganhar a vida em pequenos biscates, fala bem inglês e é maestro na igreja onde reza. Francisco Chuquela, seu antigo professor e amigo, testemunha as suas qualidades invulgares e confessa que o admira bastante. “Para mim, Celso é especial e admiro as suas qualidades e capacidades pouco comuns. Fui seu professor e só percebi que era cego dez dias depois. Era tão inteligente e participava activamente nas aulas”, refere. Muitas vezes o jovem percorre longas distâncias sem precisar de acompanhamento e, nalgumas vezes, nas noites volta da igreja sozinho. Portanto, provavelmente Celso nunca mais voltará a colher imagens a partir de uma objectiva, mas acredita que um dia vai realizar um outro sonho: a independência financeira.

Falta- lhe muita coisa …

Quando tudo começou há nove anos, os parentes submeteram-lhe a uma série de tratamentos, mas os médicos alegaram tratarse de um caso anormal, por isso incurável na medicina c o n v e n c i o – nal. Face à q u e l e d i a g n ó s – tico, os f a m i l i a r e s recorreram à medicina tradicional, onde igualmente não houve avanços tendo-se concluído que era um caso de feitiçaria. Desde então a vida do mancebo ficou marcada por momentos de dor, sofrimento e desespero. Entretanto, mais tarde, conheceu a Associação dos Cegos e Amblíopes de Moçambique (ACAMO). Foi ali onde, com a ajuda dos colegas, começou a estudar o Braille, um alfabeto para deficientes visuais. “Nesse processo comecei a ter novas esperanças e a resgatar o sonho de voltar à escola para terminar os meus estudos”, conta.

Actualmente, com o apoio daquela Associação, oito anos depois, Celso voltou a frequentar a nona classe na Escola Secundária Noroeste 1 na cidade de Maputo. De acordo com as suas palavras, falta-lhe muita coisa e considera que tudo teria sido mais fácil se estivesse numa escola especializada para cegos, mas, infelizmente, a cidade de Maputo não dispõe de um estabelecimento do género, por isso é obrigado a esforçar-se o dobro para ter a mesma compreensão que os colegas. Celso Simbine carece de uma pasta apropriada, um gravador e papel para digitar o Braille, como também se queixa da falta de capacidade de alguns professores. “Tenho de ouvir tudo o que os professores dizem.

É por isso que preciso de gravador para preparar as minhas lições. O papel que uso é muito caro. Muitas vezes os professores dizem não estar capacitados para lidar com gente como eu e aconselham a recorrer aos meus colegas para obter apontamentos, um exercício muito difícil porque aqueles escrevem mal dificultando, dessa forma, as pessoas que peço para me ditarem”, afirma.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!