Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Nova Democracia busca coligação pró-resgate na Grécia

O partido de centro-direita da Grécia Nova Democracia vai tentar formar, esta Segunda-feira, uma coligação que apoie o resgate internacional ao país, depois de obter uma vitória apertada nas eleições de Domingo que aliviaram os temores de uma saída repentina do euro.

As acções europeias e o euro abriram em alta depois do resultado da votação, e as ruas de Atenas estavam tranquilas depois que o líder do Nova Democracia, Antonis Samaras, prometeu agir rapidamente para formar um governo.

Ele recebeu do presidente Karolos Papoulias um mandato para montar uma coligação. O socialista Pasok, uma antiga potência política que actualmente é apenas a terceira força, indicou que vai apoiar a coligação, mas ainda não anunciou se fará parte do governo ou se o apoio será apenas parlamentar.

Vivendo uma profunda recessão, afundado na sua enorme dívida pública e enfrentando risco de revoltas populares, a Grécia enfrenta uma difícil tarefa de reconstruir a sua economia praticamente falida, e um novo governo pode enfrentar uma nova onda de protestos depois de tomar posse.

“A crise foi adiada, não necessariamente evitada”, disse Theodore Couloumbis, analista político e vice-presidente do instituto de estudos de Atenas ELIAMEP.

“Para esse governo durar precisa de mostrar resultados. Não podes continuar com desemprego de 50 por centro entre os jovens e um quinto ano consecutivo de recessão”, acrescentou.

O bloco radical de esquerda Syriza, que tinha prometido abandonar os termos do resgate assinados em Março com a União Europeia e o FMI, teve resultado firme nas eleições e o seu líder, Alexis Tsipras, prometeu manter a sua oposição às medidas de austeridade impostas pelos credores internacionais.

Com quase 100 por cento dos votos apurados, o Nova Democracia ficou com 29,7 por cento dos votos, à frente dos 27 por cento do Syriza, com o Pasok em terceiro, com 12,3 por cento.

Um prémio de 50 cadeiras dado automaticamente ao partido que fica em primeiro lugar daria teoricamente à aliança Nova Democracia-Pasok 162 assentos entre os 300 do Parlamento, o que seria necessário para formar uma coligação que apoia o resgate de 130 bilhões de euros ao país.

“O resultado mostrou que o povo quer o euro, mas a sociedade continua dividida. O Syriza será um militante da oposição, possivelmente complicando os esforços do novo governo”, disse uma autoridade do Nova Democracia, sob condição de anonimato.

Nos mercados, o alívio foi breve. Apesar de o FTSEUROFIRST 300 ter subido 1,1 por cento na abertura, o índice devolveu os ganhos com menos de duas horas, com os problemas sobre a zona do euro a levarem os investidores de volta à realidade. A alta do euro também evaporou.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!