Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Nem dólar, nem euro. Ouro!

A preocupação da China pelo lento desabar do dólar justifica a sua propalada compra de dívida de governos europeus. Porém, com a crise do euro a amadurecer, os mandarins financeiros chineses buscam um pilar mais sólido para as suas reservas de divisas, que já somam 3 triliões de dólares.

Enquanto a crise de endividamento da zona do euro se espalha a partir da Grécia e Portugal para países como a Itália e ameaça a própria sobrevivência do euro, financeiros e economistas chineses voltam-se novamente para o ouro a fim de garantir estabilidade.

Yu Yongding, ex-assessor do Banco Central da China e duro crítico da compra de bónus do tesouro dos Estados Unidos, pede urgência às autoridades no sentido de diversificarem o mais possível os valores da carteira do país para se protegerem da debilidade do dólar.

Aproximadamente 1,2 trilião de dólares de reservas chinesas está investido em bónus do tesouro norte-americano. A dívida dos Estados Unidos aumenta e piora a sua relação com o produto interno bruto, afirmou Yu num fórum económico realizado esse mês em Pequim.

Yu também previu problemas com os activos norte-americanos e a economia global e concorda com bancos como Goldman Sachs quanto a prever o lento e sustentado declive do dólar.

Entre 1929 e 2009, o poder de compra da divisa norte- -americana caiu 94%, disse Yu. O Goldman Sachs prevê que perderá 15% do seu valor em relação à libra britânica nos próximos 12 meses.

Numerosos investidores de diferentes partes do mundo começaram a guardar as suas reservas em outras divisas para evitarem expor-se a uma queda maior.

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, há algumas semanas teve que sair em defesa da atribulada economia do seu país, e insistiu que não tem os mesmos problemas que Grécia ou Portugal.

Diante da possibilidade de empresas qualificadoras de risco, como Standard & Poor’s e Moody’s, reduzirem a nota máxima que a dívida norte-americana ainda ostenta, cresce o temor de que o país não possa continuar a pagar os juros aos seus credores, especialmente a China.

Diante dos problemas do dólar, Pequim começou há três anos a mover parte das suas reservas para o euro, outro pilar do sistema monetário internacional em problemas.

O governo chinês contribuiu, no ano passado, para evitar uma profunda crise do euro ao comprar bónus gregos em troca de um contrato de arrendamento por 35 anos do Porto de Pireu, em Atenas. Depois, comprou 1,4 bilião em bónus espanhóis, impulsionando a confiança do mercado em relação à Espanha.

Quando o Primeiro-Ministro chinês, Wen Jiabao, visitou três países europeus em Junho fez saber a sua intenção de adquirir uma participação no fundo de resgate do euro da União Europeia (UE).

A generosidade da China com a Europa levou o Conselho Europeu de Relações Exteriores, um influente grupo de estudos, a alertar que o “interesse de Pequim pela Europa prejudica os interesses do continente” e ameaça colocar em risco valores da UE em troca de investimentos.

Contudo, há capitalistas chineses que consideram um risco necessário investir na dívida europeia. “Colocar dinheiro para salvar a Europa não é de todo mau”, escreveu o analista de assuntos financeiros Ming Jinwei no semanário Economic Observer. “Já não se pode ignorar a qualificação do crédito dos Estados Unidos nem a depreciação do dólar.

Aproximando-se da Europa, a China pretende libertar a si mesma e o sistema financeiro mundial da dependência dos Estados Unidos e da sua divisa”, acrescentou.

A China nunca ocultou o seu interesse em ver sua moeda, o yuan, em algum momento substituir o dólar como divisa de câmbio, mas os seus esforços para ampliar essa influência têm efeito contrário.

A estratégia de Pequim para impor o yuan como divisa acelera-se com a incorporação de cada vez mais membros ao clube comercial desta moeda.

Nos últimos dois anos, Brasil e China acertaram vários intercâmbios de divisas entre os seus bancos centrais para manter o seu comércio sem utilizar o dólar.

Acordos semelhantes foram feitos com Argentina, Índia, Rússia e África do Sul, entre outros países. No primeiro trimestre deste ano, cerca de 7% do intercâmbio comercial da China foi realizado com a sua própria moeda, uma proporção 20 vezes superior à de 2010.

Entretanto, em lugar de reduzir a sua dependência em relação ao dólar, a rápida internacionalização do yuan está a conseguir o contrário, ressaltou Yu Yongding. Já que acreditam que o yuan será valorizado, os que comercializam com a China estão dispostos a aceitar pagamentos nessa moeda, mas depois são reticentes em soltá-la e preferem pagar com outras divisas. Assim, a China paga cada vez mais importações em yuan enquanto acumula mais e mais divisas estrangeiras.

A China precisa de uma “urgente” revisão da sua estratégia de reservas de divisas, disse Xia Bin, assessor do Banco Central. Em vez de comprar a dívida do Ocidente, o país asiático deveria investir em activos estratégicos e acumular ouro “comprando acções em baixa”, recomendou.

Pequim reconhece ter duplicado as suas reservas de ouro, que chegam a 1.054 toneladas, equivalentes a 54 biliões de dólares. E prevê aumentar esse volume para oito mil toneladas.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!