Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Não faz sentido posições sem consulta dos actores principais

O Presidente da Associação Comercial da Beira (ACB), Prakash Prehlad, reagindo a solicitação feita pelo Edil da Beira, Daviz Simango, à Ministra do Trabalho, Maria Helena Taipo, para a concessão de uma tolerância de ponto na próxima sexta-feira para a festa do Carnaval, referiu-se em duas vertentes, nomeadamente social e económica.

Quanto a implicância económica, afirmou que para se chegar a uma decisão dessa natureza seria necessário consenso, sugerindo que tem de haver uma consulta com todos os actores interessados, nomeadamente odos aqueles que fazem parte da economia e da cidade para se ver se a proposta do Carnaval é de facto uma tradição com alguma inserção, e se essa inserção traduz-se num pedido de tolerância de ponto.

 

“Penso que isso tem de ir à discussão…agora não faz sentido que apareçam posições sem que os actores principais sejam consultados nessa particularidade” – afirmou, ao mesmo tempo que confirmou que a ACB, entanto que a maior instituição que representa os interesses empresariais na Beira não foi consultada pela edilidade para essa tolerância de ponto. Quanto a vertente social, Prakash Prehlad que é igualmente Presidente da Comissão Provincial de Eleições de Sofala, considera ser altura de se começar a repensar um pouco no lazer e na recreação, afirmando que ate o presente momento os “nossos” feriados são feriados que tem um passado histórico.

“São feriados formais, concordo que o Pais precisa sim, mas também precisa sim para o trabalhador ter um momento em que se dedica a família, um momento em que se dedica a um tema específico que não esteja necessariamente relacionado a historia”. Prehlad deu como exemplo o 1 de Junho, dia internacionalmente dedicado à criança, questionado porque essa data não pode ser consagrada feriado nacional em Moçambique.

Argumentou que possibilitaria um convívio entre os professores, pais e filhos. Insistindo na necessidade de se começar a ter em conta o lazer e a recreação e não somente o trabalho, concluiu o seu pensamento explicando que “se assegurarmos um equilíbrio social teremos maior rendimentos”.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!