Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Nanando Uma Fender abandonada

Nanando já tinha entrado num desfiladeiro sagrado da sua vida. As últimas aparições que protagonizou em palcos inúmeros da cidade de Maputo eram indisfarçáveis e por demais amadurecidas, que não podiam deixar qualquer dúvida quanto ao valor incomensurável de um guitarrista que subia a montanha devagar.

Seguro das escalas que tinha nos dedos e na vida. Morreu durante essas escalas, deixando para trás uma interminável legião de fãs e a grande admiração que lhe era dispensada pelos colegas. Foi Jimmy Dludlu que, rendido ao percurso de Nanando, à sua forma de ser, à grande capacidade de execução e criatividade, não resistiu em comprar uma guitarra da marca Fender – que o próprio Jimmy usa – para oferecê-la àquele que será para sempre o seu professor simbólico. Hoje Nanando nos deixou.

A morte encontrou-lhe no leito hospitalar, sucumbindo a uma doença ligada ao coração. E deixou um legado indelével que passará pelos labirintos do afrojazz. Da Marrabenta. A sua sombra far-se-á sentir por tempos e tempos no HOKOLOKWE e Fraze Bappa. Passou fugazmente pelos Gorwane e Nngalamga. Para além dos muitos anos que trabalhou na Swazilândia e África do Sul.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!