Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Multidão invade morgue de Donka após morte de 33 jovens na Guiné-Conakry

A morgue do Centro Hospitalar Universitário (CHU) de Donka, na capital guineense, Conakry, continuou quinta-feira pólo de atração das centenas de populares que procuravam seus próximos entre os restos mortais dos 33 jovens mortos numa noite cultural, terça-feira, na praia de Rogbané, arredores norte de Conakry.

Desde quarta-feira, os agentes médicos enfrentavam dificuldades para aceder à morgue onde uma multidão indescritível havia invadido o minúsculo pátio do local sob o olhar impotente das forças da ordem que não conseguiam interditar ou restringir o acesso dos populares.

Famílias abatidas e inconsoláveis presentes no local asseguraram ter perdido dois ou três filhos depois do “acidente trágico”, e instaram o chefe de Estado, Alpha Condé, a fazer observar uma semana de luto nacional em todo o território nacional, a partir de quarta-feira.

Os gritos de dor ressoavam alto e em eco na morgue que registou a entrada dos corpos daqueles jovens dos dois sexos, mortos na flor da idade, pouco depois da celebração do Aid El Fitr ou festa do fim do jejum muçulmano, num local de concerto musical produzido por dois grupos essenciais do país, designadamente “Banlieuzart” e “Instinkilers”.

“Estes 33 três jovens morreram abafados ou atropelados durante os empurrões ocorridos na praia de Rogbané onde era organizado um concerto”, disse um agente médico, assegurando ter participado nos primeiros socorros na noite de terça-feira, na praia, onde dezenas de pessoas ficaram feridas, quase todas gravemente.

O Governo guineense autorizou o procurador da República e o Tribunal de Dixinn, em Conakry a “abrir imediatamente” um inquérito para situar as responsabilidades.

Além disso, o Presidente Alpha Condé convidou os responsáveis a todos os níveis a tomar as “disposições necessárias” para que tais dramas não se reproduzam no país, e decidiu o encerramento “até nova ordem” de todas as praias do país”, bem como a suspensão dos responsáveis da Agência Guineense dos Espetáculos, organizadora da noite cultural.

Em Julho de 2013, cinco jovens morreram no desabamento da ponte sobre a praia de Lanbanyi, também durante um concerto.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!