Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mulheres ainda ficam atrás em economia e política, diz estudo

As mulheres estão praticamente no mesmo patamar que os homens em todo o mundo nas áreas de saúde e educação, mas ainda estão para trás em participação e oportunidades em economia e política, de acordo com um relatório do Fórum Econômico Mundial, divulgado esta terça-feira.

O Relatório Global de Diferenças por Gênero revelou que 96 por cento das diferenças em saúde e 93 por cento das disparidades em educação foram eliminadas, comparadas com menos de dois terços das diferenças em economia e apenas um quinto em participação política. “Enquanto as mulheres estão a começar a ser tão saudáveis e educadas quanto os homens, elas claramente não estão sendo aproveitadas para a economia e estruturas de tomada de decisão nos mesmos níveis”, disse Saadia Zahidi, diretor sênior do Fórum Econômico Mundial e um dos autores do relatório.

No topo do ranking de 135 países estava a Islândia, seguida pela Noruega, Finlândia, Suécia e Irlanda, enquanto que os últimos cinco são Arábia Saudita, Mali, Paquistão, Chade e Iêmen. O Brasil está em 82o lugar, três posições acima de 2010. “Enquanto muitas economias desenvolvidas foram bem sucedidas em eliminar a diferença por gênero em educação, poucas tiveram sucesso em maximizar os retornos desse investimento.

Os países nórdicos são os líderes nessa área”, apontou o relatório. “No geral, essas economias tornaram possível para os pais combinarem trabalho e família”, acrescentou, afirmando que as políticas levaram até ao aumento na taxa de natalidade. Algumas das políticas bem-sucedidas dos países nórdicos identificadas pelo relatório foram a licença-paternidade obrigatória, benefícios generosos de licença-paternidade oferecidos por uma combinação de fundos de seguridade social e empregadores, incentivos tributários e programas de retorno ao mercado de trabalho pós-maternidade.

O relatório mediu as diferenças por gênero em salários, participação na mão-de-obra, emprego altamente qualificado, acesso a educação de nível básico e superior, representação nas estruturas de tomada de decisão, expectativa de vida e quociente sexual.

Moçambique, que em 2008 já ocupou a 18ª posição, caiu quatro posições e ocupa o 26º lugar. Os Estados Unidos subiram duas posições para o 17o lugar, assim como a Alemanha para o 11o. Grã-Bretanha caiu uma posição para o 16o, China se manteve no 61o, a Rússia subiu dois lugares, para a 43 posição, assim como a África do Sul para a 14a. A França caiu dois lugares para o 48o e o Japão caiu quatro, para 98o. Na China, quase três quartos das mulheres trabalham, mas os salários dos homens aumentam mais rápido, apontou o relatório.

CLIQUE AQUI para ver o ranking na íntegra.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!