Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
Publicidade

Mudança climática: as potências emergentes unem suas forças

As grandes potências emergentes, lideradas por Brasil, China e Índia, estão na defensiva, às vésperas da conferência de Copenhague sobre Mudança Climática e unem suas forças. Uma série de reuniões informais, na terça e na quarta, em Copenhague, com a ministra dinamarquesa do Clima, Connie Hedegaard, permitirá que reafirmem o que consideram “não negociável” na perpectiva de um acordo futuro.

Para não exacerbar as tensões, Hadegaard assegurou à AFP que neste estádio seu governo “consulta numerosos países, bilateralmente e multilateralmente: estão sendo discutidas e testadas diferentes opções”. As negociações “não devem começar até a próxima semana”, com a inauguração, no dia 7 de Dezembro, da Conferência da ONU na capital dinamarquesa, precisou. Mas, sábado passado, um conselho de guerra reuniu, em Pequim, a China, a Índia, o Brasil, mais a África do Sul e o Sudão (presidente em exercício do G77, coalizão de países em desenvolvimento) para decidir uma posição comum e intransigente.

Esta se articula em torno a quatro pontos básicos: rejeição a metas obrigatórias de redução de suas emissões de gases de efeito estufa; negativa a submeter suas políticas climáticas ao controle internacional, se não forem financiadas pelos países industrializados; exclusão de um tecto máximo fixado por antecipação para o crescimento de suas emissões e exigência de que os países desenvolvidos renunciem a toda a tarifa que penalize suas exportações, em nome da luta contra o aquecimento global.

A declaração de Pequim está destinada a frustrar por antecedência uma proposta da presidência dinamarquesa – também adotada pelo G8 em Julho em L’Aquila – sugerindo um objectivo mundial de redução de 50% das emissões em 2050 em relação ao nível de 1990. Segundo a proposta, os países desenvolvidos se encarregariam de 80% deste objectivo. “Se os países industrializados se comprometerem a uma redução de (-80) ou (-85%), isto significa que os países em desenvolvimento assumem as obrigações restantes: isso só seria possível com importantes transferências de recursos e tecnologia”, adverte o site de seu ministério do Meio Ambiente o primeiro-ministro indiano Manmohan Singh.

Por outra parte, o texto de Pequim reafirma o apego das potências emergentes ao Protocolo de Kyoto, cujos compromissos expiram no final de 2012, e a que este seja prorrogado e não substituído. Segundo o Protocolo de Kyoto, os países ricos são os únicos com metas obrigatórias de redução de suas emissões. “Esta questão cria um verdadeiro contencioso e é compreensível”, considera Kim Carstensen, responsável sobre o clima da ONG WWF International. O facto de que os Estados Unidos não tenham ratificado o protocolo de Kyoto (é o único país industrializado que não o fez) não justifica, em sua opinião, “dar as costas ao único instrumento juridicamente vinculante actualmente em vigor”.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: Content is protected !!