Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

MotoGP Qatar: Stoner confirmou favoritismo

As Honda RC212V mostraram ser as motos em melhor forma na pré-temporada, e ao longo do passado fim-de-semana do Grande Prémio do Qatar, 1ª ronda do Mundial de Velocidade 2011, esse favoritismo foi reforçado, com as motos decoradas pela Repsol a serem as mais rápidas em todas as sessões de treinos livres (Stoner), qualifi cação (Stoner) e warm-up (Pedrosa).

 

 

Dani Pedrosa, a sair do 2º lugar da grelha, fez mais um dos seus arranques-canhão, com Rossi também a disparar para um fugaz 2º posto que só durou a primeira curva, saindo largo para baixar para o 7º posto.

Ainda na 1ª volta Lorenzo passou pelas Honda de Pedrosa e Stoner para liderar durante uma escassa volta, mas a pressão das quatro RCV de fábrica (Stoner, Pedrosa, Dovizioso e Simoncelli, este último integrado no Team Gresini) foi demasiada, e cedo o campeão mundial se viu “ensanduichado” entre as RCV, com Stoner a passar para a frente seguido de Pedrosa. Mas o espanhol queria mostrar que estava ali para ganhar, e à quinta volta passa por Stoner com determinação.

Stoner manteve uma batalha acesa com o seu companheiro de equipa, mas Pedrosa estava em dia sim, e só a meio da corrida o australiano conseguiu passar para a frente, vindo depois a ganhar terreno a olhos vistos. No final, soube-se que Pedrosa se queixava de dores no braço esquerdo, devidas à múltipla lesão na clavícula sofrida no final da época passada, o que o terá impedido de manter o “forcing” que estava a imprimir.

Entretanto, Lorenzo que rodava à vista das Honda, viu em Pedrosa um alvo apetecível, e envolveu-se numa boa luta com o compatriota e rival, vindo a superá-lo rumo ao 2º posto.

Stoner conseguiu assim a sua “vingança”, depois de no ano passado ter saído da pole para sofrer uma queda logo no início da corrida, vencendo com 3,5 segundo de avanço sobre Lorenzo, com Pedrosa segundo e meio atrás do seu compatriota e rival.

Andrea Dovizioso foi quarto à frente de Simoncelli, ou seja, as quatro RCV de fábrica nos cinco primeiros (!). Ben Spies foi 6º após um animado duelo com Valentino Rossi, com este a terminar em sétimo na sua estreia com a Ducati.

Edwards, Hayden e Aoyama fecharam o top 10, e terminaram ainda o estreante Cal Crutchlow, com um dedo lesionado nos treinos, Hector Barberá e o outro rookie, Karel Abraham. De fora ficaram as duas Ducati Pramac de Randy de Puniet e Loris Capirossi, quando, logo na primeira volta, o francês caiu tocando no seu companheiro de equipa, e ainda a Honda de Toni Elías, definitivamente pouco à vontade com a RCV do Team LCR. Álvaro Bautista não alinhou devido à perna fracturada nos treinos, e será substituído em Jerez aos comandos da Suzuki GSVR por John Hopkins.

Nas Moto2, Stefan Bradl, o homem que no final da época passada venceu a sua primeira corrida desta categoria no Estoril, esteve imperial no Qatar. Saiu da pole position – a sua primeira – e arrancou rumo a uma vitória incontestada. No segundo lugar ficou Andrea Iannone, autor também de uma grande corrida após ter saído de 16º na grelha, enquanto Thomas Lüthi chegava ao lugar mais baixo do pódio. Yuki Takahashi foi batido por De Angelis na luta pelo quarto posto.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!