Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Moçambola: começou a 2a volta bi-campeão perde em Vilankulos; Maxaquene vence e aproxima-se do líder

A Liga Desportiva Muçulmana de Maputo, equipa bicampeã nacional não consegue disfarçar a crise e perdeu na tarde deste sábado diante do Vilankulo FC por uma bola sem resposta, em uma das partidas que marcou o pontapé de saída da 14ª jornada do Moçambola. O Maxaquene por sua vez assegurou a segunda posição ao vencer em o Ferroviário de Pemba por dois a zero.

O campo Municipal de Vilankulo transformou-se na tarde deste sábado por 90 minutos, num autêntico martírio para a Liga Muçulmana. Não obstante o golo dos marlins obtido no último quarto de hora por intermédio de Eurico, o apito final do árbitro serviu para confirmar que a palavra “Crise” ainda está para ser utilizada como um passado no seio do clube hoje comandado por Litos.

As informações de mais uma derrota da Liga Muçulmana correram mundo e rapidamente propagaram-se nas redes sociais onde virou assunto de debate questionando-se em tom crescido se este não seria o fim de uma dinastia futebolística que durante dois anos seguidos comandou o futebol nacional. Até porque a Liga Muçulmana não vence há já sete jornadas consecutivas.

Contudo, cabe a nós responder: a Liga está mesmo numa situação penosa. Vencer o campeonato é uma pomposa miragem e para já, tem de lutar pela manutenção visto que até neste momento, está com apenas um ponto acima da linha de água.

Maxaquene robusto e a um ponto do líder

A vez de perder de vista o Ferroviário de Maputo o líder do campeonato, não podia ser desta para a equipa tricolor. Até porque no lançamento desta partida escrevemos que os três pontos estavam garantidos ao Maxaquene numa clara alusão de que o Ferroviário de Pemba não passa de um mero repartidor de pontos da competição. E foi o que aconteceu.

Tudo foi claro. A equipa tricolor num cintilante sinal de estar perante um jogo treino, entrou a ganhar quando Jaír ao terceiro minuto violou as redes à guarda de Castro. O Ferroviário de Pemba não buscou contrariar a onda ofensiva tricolor e deixou clara a falta de união e espírito de equipa no seio dos jogadores sempre que eles tentassem sair em contra-ataque. Chegou-se a pensar que o nome de Maxaquene de per si constituía um forte adversário aos pembinhas. E porque em qualquer campo (seja social, político até ao desportivo) quem não reage sofre acção, volvidos 25 minutos Betinho dilatou o marcador.

Na segunda parte a equipa de Pemba voltou com uma nova atitude todavia foi o espectáculo de falhanços dos adiantados tricolores que exteriorizou-se ou seja, não foi o Ferroviário de Pemba que buscou reduzir a desvantagem mas sim, a equipa tricolor que não quis mais golos.   O jogo terminou com o Ferroviário de Pemba a circular a bola num manifesto gesto solidário tricolor que durante o tempo regular não sentiu estar perante um adversário ao nível do Moçambola.

 

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!