Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Moçambola 2014: Ferroviário de Nampula incólume no topo!

No clássico que abriu a quarta jornada do Moçambola, edição 2014, o Ferroviário de Maputo derrotou o Desportivo de Maputo por 4 a 2. O líder isolado da prova, o Ferroviário de Nampula, foi até ao município de Chibuto conquistar mais três pontos.

Minutos antes do apito inicial do árbitro, o treinador do Desportivo de Maputo, Artur Semedo, afirmou que a sua equipa iria mandar totalmente no confronto e que obrigaria o adversário a defender-se, recorrendo ao contra-ataque para criar perigo à baliza contrária. Aquele técnico proferiu estas palavras aos microfones da Rádio Moçambique.

E este desejo de capitanear o “barco” concretizou-se somente no primeiro quarto de hora, período em que o Ferroviário beneficiou, realmente, do futebol directo para criar situações de perigo, diante de um Desportivo de Maputo audacioso e robusto.

A primeira oportunidade de golo pertenceu aos donos da casa, no segundo minuto da partida, num lance em que, depois de a bola colidir com o poste direito do guarda-redes Caio, rematada por Diogo, Timbe não conseguiu dar um melhor desfecho, disparando por cima de uma baliza totalmente escancarada.

Terminado o susto, o Desportivo reorganizou-se e, dois minutos mais tarde, criou a primeira jogada de perigo. Na cobrança de um livre indirecto, Cremildo colocou o esférico no interior da grande área e Jair cabeceou para as mãos de Pinto.

Cumprido o primeiro ensaio, aquele avançado, que trocou a camisola tricolor pela alvinegra nesta temporada, finalmente, aguçou a pontaria. Recebeu a bola de Sidik, passou por Chico e galgou bons metros até encarar o guarda-redes Pinto, que nada poderia fazer de modo a evitar o primeiro tento da tarde. Jogava-se o décimo minuto do jogo.

Sem nenhuma resposta por parte da locomotiva, o Desportivo voltou a marcar, à passagem do primeiro quarto de hora, novamente por Jair. Na cobrança de um pontapé de canto, a bola voou da asa esquerda até à cabeça daquele avançado, que abanou novamente as redes dos donos da casa. Pinto ainda tentou evitar o golo, porém atrasou-se na interceptação do esférico.

O pecado imperdoável de Artur Semedo!

A exactamente trinta minutos do fim da primeira parte, Artur Semedo decidiu impor uma postura defensiva à sua equipa, escangalhando a frutífera disposição táctica de 4 – 4 – 2 que se transformou em 5 – 4 – 1. Concretamente, Mayunda passou a desempenhar a função de terceiro central em manifesto apoio à dupla Sataca e Mussagy, naturalmente eliminando um médio ala que ocupou a posição de lateral esquerdo.

Aquele treinador quis, com a estranha metamorfose táctica, gerir a vantagem de 2 a 0 no marcador. E notando esta atitude defensiva da equipa adversária, Victor Pontes deu instruções no sentido de um maior atrevimento aos seus jogadores, sobretudo aos extremos Diogo e Andro. Sempre que a bola estivesse na posse de um, o outro teria de fazer a penetração em diagonal, apoiando o ponta de lança Luís, dando mais fulgor ao 4 – 3 – 3 montado pelo técnico português.

Logo após o segundo golo do Desportivo, o Ferroviário passou a jogar no meio-campo contrário, ainda que de forma arriscada em virtude de Gabito e Chico, os dois homens mais recuados da equipa, estarem a apoiar o guarda-redes Pinto a partir do centro do terreno.

O festival “Vataxanisseka” até ao apito final!

Com a surpreendente mudança de táctica do Desportivo, conforme referimos acima, o Ferroviário de Maputo passou a comandar a partida. E não tardou para que reduzisse a desvantagem, numa jogada aparentemente inofensiva, em que o talento de Diogo se misturou com a sorte. Aquele avançado cabeceou a bola em direcção à baliza contrária e esta, ganhando altura, foi parar no fundo das malhas, o que originou que o guarda-redes alvinegro ficasse atordoado.

À passagem do minuto 35, o Ferroviário de Maputo chegou ao golo do empate. Luís, encostado ao lado direito do ataque locomotiva, passou por um lateral do Desportivo e, assaltando a área contrária, cruzou o esférico ao encontro de Andro que, com o peito, desviou a sua trajectória e restabeleceu a igualdade no marcador.

Nem com o tento sofrido o Desportivo conseguiu mudar. Correu atrás da bola, revelando até incapacidade de jogar no contra-ataque. O Ferroviário continuou a atacar e, no minuto 42, perdeu uma soberba oportunidade para dar a volta ao marcador. Caio defendeu o cabeceamento violento de Andro, depois de um sublime cruzamento de Barrigana.

E foi num lance similar, mas com novos personagens, que os “Vataxanisseka”, alcunha dos adeptos do Ferroviário de Maputo, explodiram de alegria. Na cobrança de um pontapé de canto, Timbe cruzou e o defesa central Gabito, sem nenhum tipo de marcação, cabeceou para o fundo da baliza de Caio, fazendo o 3 a 2.

O quarto golo do Ferroviário e que encerrou as contas surgiu na etapa conclusiva. Em abono da verdade, diga-se, neste período o jogo esteve morno. Mas, porque o Ferroviário tinha de provar a sua superioridade, Andro apontou o 4 a 2 à passagem do minuto 80.

Ferroviário de Nampula na liderança e Maxaquene na perseguição!

Mais uma jornada e mais três pontos para o Ferroviário de Nampula, líder destacado desta competição. Desta vez, a contar para a quarta jornada, a vítima da locomotiva foi o Clube de Chibuto, na sua própria casa.

Depois de uma primeira parte intensa e equilibrada, em que os dois conjuntos procuraram, a qualquer custo, criar perigo nas duas balizas, foi num lance de bola parada que os visitantes garantiram a vitória, graças ao golo solitário do capitão Dondo, à passagem do minuto 73.

Na mesma tarde, no campo do Costa do Sol, o Clube dos Desportos da Maxaquene tirou proveito da inércia ofensiva dos canarinhos para amealhar os três pontos que o isolam na segunda posição da tabela classificativa.

O único tento da partida foi apontado no decurso do minuto 75, por intermédio de Maurício Pequenino, que de cabeça desmantelou a chamada “defesa de aço” montada pelo Costa do Sol durante a pré-temporada na vila fronteiriça da Namaacha.

Com este triunfo, Chiquinho Conde conquistou o décimo ponto e ficou a dois dos campeões nacionais em título, os muçulmanos da Liga na terceira posição, que empataram sem abertura de contagem diante do Desportivo de Nacala no terreno da Bela Vista.

Ferroviário de Quelimane alcança a primeira vitória caseira

Numa tarde com poucos golos, depois de seis marcados no clássico entre as equipas do Ferroviário e do Desportivo, ambos de Maputo, na tarde de sábado (12), a locomotiva de Quelimane derrotou a homónima da Beira por 1 a 0 e conquistou, pela primeira vez, no campo do Sporting da Zambézia, os três pontos.

Terminados os 90 minutos, os vice-campeões nacionais em título não conseguiram traduzir em golo as inúmeras oportunidades criadas ao longo do confronto. Foram bastante perdulários na hora de finalizar.

Porque no futebol há o adágio popular “quem não marca arrisca-se a sofrer”, o golo da vitória do Ferroviário de Quelimane foi apontado à passagem do minuto 79, mercê de uma grande penalidade convertida por Joca, antigo jogador do Desportivo de Maputo.

Quadro completo de resultados

Ferroviário de Maputo 4 – 2 Desportivo de Maputo

Maxaquene 1 – 0 Costa do Sol

Clube de Chibuto 0 – 1 Ferroviário de Nampula

Ferroviário de Quelimane 1 – 0 Ferroviário da Beira

Ferroviário de Pemba 0 – 1 Estrela Vermelha da Beira

Desportivo de Nacala 0 – 0 Liga Muçulmana

HCB de Songo 0 – 0 Têxtil de Púnguè

 

Classificação

Pos EQUIPA J V E D GM GS DG P
1 Ferroviario de Nampula 4 4 0 0 5 1 4 12
2 Maxaquene 4 3 1 0 5 2 3 10
3 Liga Muçulmana 4 2 2 0 7 3 4 8
4 HCB de Songo 4 2 1 0 4 2 2 8
5 Ferroviario de Quelimane 4 2 2 2 5 5 0 6
6 Ferroviario de Maputo 4 1 2 1 6 5 1 5
7 Ferroviario da Beira 4 1 2 1 4 2 2 5
8 Desportivo de Maputo 4 1 2 1 6 6 0 5
9 Costa do Sol 4 1 1 2 3 4 -1 4
10 Estrela Vermelha da Beira 4 1 1 2 3 4 -1 4
11 Textil de Pungue 4 1 1 2 1 3 -2 4
12 Ferroviario de Pemba 4 0 2 2 2 4 -2 2
13 Clube de Chibuto 4 0 1 3 3 8 -4 1
14 Desportivo de Nacala 4 0 1 3 1 6 -5 1

 

Próxima jornada

Têxtil de Púnguè X Ferroviário da Beira

Estrela Vermelha da Beira X Clube de Chibuto

Ferroviário de Nampula X Ferroviário de Maputo

Desportivo de Maputo X Costa do Sol

Maxaquene X Desportivo de Nacala

Liga Muçulmana X Ferroviário de Quelimane

HCB de Songo X Ferroviário da Beira

Melhores Marcadores

Sonito (Liga Muçulmana) e Jair (Desportivo de Maputo): três golos

Dário Khan (Costa do Sol), Betinho (Maxaquene), Nando (Liga Muçulmana), Nicholas (HCB de Songo), Cosme (Desportivo de Nacala), Mário (Ferroviário da Beira), Gabito, Diogo e Andro (Ferroviário de Maputo): dois golos.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!