Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Moçambique e Suécia: nova estratégia de cooperação definida até finais do ano

Moçambique e Suécia poderão definir uma nova estratégia de cooperação até finais do presente ano, um instrumento base que vai nortear o estreitamento das relações entre os dois países.

O facto foi revelado, terça-feira, em Maputo, pelo Embaixador cessante em Moçambique, Torvald Akesson, falando a imprensa momentos depois de apresentar os cumprimentos de despedida ao Chefe de Estado moçambicano, Armando Guebuza, após concluir a sua missão de quatro anos no país.

Actualmente, as relações entre Moçambique e Suécia são geridas com base na Estratégia de Cooperação aprovada em 2008 para o período 2009/2012.

‘No final deste ano vamos definir nova estratégia de cooperação com o governo moçambicano’, disse o Embaixador, explicando que, ‘em cada quatro anos, temos de revisitar a nossa cooperação’.

Segundo Akesson, os dois países têm vindo a trabalhar em conjunto na cooperação para o desenvolvimento desde a independência de Moçambique. ‘Mesmo antes da independência de Moçambique a Suécia deu assistência humanitária’.

A Cooperação entre a Suécia e Moçambique assenta, essencialmente, nas áreas de agricultura, boa governação e energia. Igualmente, aquele país nórdico tem vindo também a direccionar o seu apoio à província nortenha do Niassa e a Universidade Eduardo Mondlane (UEM), a maior e mais antiga instituição de ensino superior no país.

A Suécia faz parte do grupo de países que apoiam o Orçamento do Estado em Moçambique, sendo o ponto de partida para o apoio sueco a própria estratégia deste país de alívio a pobreza – o PARPA II.

Para o presente ano, segundo Akesson, o apoio sueco ao Orçamento do Estado é de 110 milhões de dólares norte-americanos. Fazendo uma breve análise das relações de cooperação entre Moçambique e Suécia, Akesson disse que as mesmas estão num bom caminho, admitindo também a necessidade de as partes continuarem a dialogar para melhora-las cada vez mais.

Solicitado a comentar se a crise financeira que se abate nalguns países da Europa não iria levar a Suécia a cortar ou reduzir o pacote de ajuda que este vem prestando a alguns países, como Moçambique, Akesson descartou tal hipótese, justificando que o seu país não está sob efeitos dessa crise. ‘A Suécia não tem problemas financeiros, pelo que não há discussão política para cortar ajuda’, afirmou.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!