Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Moçambique rumo a modernização do Instituto Nacional de Segurança Social

Moçambique vai passar a contar com um sistema de segurança social modernizado até Dezembro próximo. Com efeito, técnicos moçambicanos e brasileiros encontram-se reunidos, em Maputo, a trabalhar nesse sentido.

Em contacto com jornalistas, o presidente do Conselho de Administração do Instituto Nacional de Segurança Social (INSS), Inocêncio Matavel, disse que esse processo já começou com a concepção das necessidades e objectivos do projecto, trabalho que está a ser realizado com o apoio do Brasil.

“Agora estamos na fase de acertar os pormenores técnicos do projecto para podermos avançar”, disse Matavel, acrescentando que os resultados desse trabalho poderão ser visíveis a partir de Dezembro próximo.

Este projecto faz parte do pacote de cooperação entre Moçambique e Brasil nessa área e os dois governos já assinaram um acordo de cooperação técnica para a segurança social. No âmbito desse acordo, Brasil tem enviado técnicos para apoiar Moçambique a seguir os passos necessários para a informatização do sistema de segurança social.

Brasil é um país com uma larga experiência nessa área, sendo possível cadastrar um reformado em apenas cinco minutos. Actualmente, o sistema de Previdência Social do Brasil beneficia um universo de 240 milhões pessoas (entre reformados e pensionistas), contra apenas um milhão de beneficiários cadastrados pelo INSS (de Moçambique).

Na sua intervenção na abertura do encontro de hoje, o embaixador do Brasil em Moçambique, António José de Sousa, apelou os técnicos dos dois países a trabalharem para que Moçambique possa ter, o mais breve possível, um sistema de segurança social que atenda as necessidades do povo e do governo.

“É importante não se comprometerem com acções que não estejam claras ou que ainda não haja condições para a sua implementação”, disse o diplomata brasileiro, sublinhando a necessidade de se ter um projecto realista e que tenha em conta as condições existentes.

Para a Agência de Cooperação Brasileira (ABC), o maior desafio em relação a este e outros projectos é garantir a sua sustentabilidade. “Nós precisamos de real participação de ambas as partes para podermos garantir a sustentabilidade dos nossos projectos de cooperação”, disse Paulo Lima, gerente da cooperação brasileira com os países da língua portuguesa.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!