Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Moçambicano, acusado de raptar uma cidadã albina, foi espancado até a morte no Malawi

Um cidadão moçambicano identificado pelo nome de Horácio Mahora, de 35 anos de idade, foi espancado até a morte no Malawi, onde se havia escondido após raptar uma adolescente, que sofre de falta de pigmentação na pele, no povoado de Muhela, localidade de Chissaua, em Mecanhelas. É o segundo rapto de um cidadão com albinismo na província do Niassa, em menos de duas semanas.

De acordo com o porta-voz da Polícia da República de Moçambique no Niassa, Alves Mate, o finado terá abordado a mãe da menor de 12 anos de idade para que esta a vendesse a sua filha portadora de albinismo.

A progenitora naturalmente não acedeu a proposta porém, durante a noite do mesmo dia foi surpreendida por quatro indivíduos, incluindo Horácio Mahora, que arrombaram a porta da habitação onde dormia com a criança.

Segundo a fonte, citada pelo Jornal Diário de Moçambique, a mãe foi espancada e seguidamente amarrada, entretanto os criminosos levaram consigo a vítima. Posteriormente familiares da menor descobriram que o Horácio Mahora havia fugido para o vizinho Malawi e perseguiram-no. Localizado Horácio foi espancado e acabou por perder a vida.

Contudo os comparsas do finado não foram ainda localizados assim como a adolescente raptada.

Este é segundo caso de rapto de crianças portadoras de albinismo na província do Niassa, em menos de duas semanas, depois que um tio ter tentado raptar o seu próprio sobrinho de apenas seis anos de idade, no distrito de Cuamba.

Os albinos – portadores de um defeito genético hereditário que os impede de produzir a melanina, o pigmento que dá origem à cor da pele, do cabelo e dos olhos – continuam a ser “caçados” em Moçambique, embora as autoridades governamentais afirmem estar a encetar acções para a sua protecção, por criminosos que, em vários casos, os assassinam e desmembram para vender partes dos seus corpos a feiticeiros que pagam alguns milhões de meticais e usam-nos em poções alegadamente mágicas que curam várias maleitas ou dão sorte.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!