Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

“Missão cumprida”, diz Chitsondzo nos 31 anos da carreira dos Ghorwane

Ghorwane: uma fonte que nunca cessa

Já estiveram, por inúmeras vezes, na margem da morte. E, volvidos alguns anos, recompuseram-se. Hoje, “os bons rapazes”, como são carinhosamente chamados, vivem uma longevidade e, ainda, em união. Este marco, ao alcance das bodas de ouro, foi celebrado na pretérita sexta-feira (11), em Maputo, num show, notavelmente, inesquecível.

Mais do que o cumprimento do que fora, por eles, prometido no que diz respeito a valorização dos ritmos africanos e da cultura moçambicana, durante os 31 anos da sua existência, o agrupamento de música moçambicana, Ghorwane, restituiu as nostalgias que viviam no seio dos seus admiradores.

Com uma forte presença no palco – em questão o do Centro Cultural Franco-Moçambicano – o agrupamento mostrou-nos que a vida depois de Pedro Langa e Zeca Alage não só continua, mas cresce a cada concerto, a cada tema – actual e antigo – e a cada sucesso.

Intitulado “o lago que não seca”, o concerto serviu, igualmente, de oportunidade para que os petizes da Escola Nacional de Música, interpretando os temas “progresso” e “Txongola”, mostrassem o seu melhor no que tange a instrumentos musicais.

Massotcha, Vana Va Nndota e Hafa, três dos mais conhecidos temas daquele agrupamento, renovaram e agitaram o público presente, tornando o espectáculo num momento de recordações. Enquanto eles tocavam, cantavam e dançavam o público, na mesma dinâmica e domínio dos seus títulos, acompanhava: cada um fazendo o que mais sabe.

Massotcha, diga-se, é um dos timbres inesquecíveis desse grupo. A música fala dos tormentos da guerra e do perigo que os militares representa(va)m para o povo que deve(ria) estar a proteger. Aproveitando a lírica a mensagem contida nessa música, Robero Chitsondzo alertou ao público presente sobre o clima de tensão que se vive no país.

Para ele, o povo moçambicano não merece estar em conflitos, pois, mais do que se sabe, a guerra é uma maldição. No entanto, a pois as actuações, em entrevista, Roberto Chitsondzo, músico da banda, afirmou que o show resume os 31 anos de actividades da banda, desde a época de Langa e Alage e até a actualidade, não só no campo da música, mas também na consciencialização dos moçambicanos.

“Foi difícil chegarmos a onde estamos, mas graças a Deus conseguimos. Há que, realmente, confessar que, durante os 31 anos de existência, conquistamos o maior número dos moçambicanos, o que por sua vez, fazia parte das nossas mais desejadas realizações. Portanto, vencemos e cumprimos com a missão”, conclui o músico.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!