Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

MISAU lança campanha nacional de aleitamento materno

O Ministério da Saúde (MISAU) reitera a necessidade de a sociedade moçambicana se envolver, massivamente, nas actividades com vista a promover o aleitamento materno exclusivo da criança, sobretudo nos primeiros seis meses de vida.

O apelo nesse sentido foi feito ontem, em Maputo, na conferência de imprensa destinada a anunciar o lançamento, segunda-feira, da Campanha Nacional de Promoção do Aleitamento Materno em todo o país e que terá a duração de 12 meses (até Agosto de 2010). Lídia Chongo, chefe do departamento da saúde da mulher e da criança no MISAU, disse tratar-se de uma iniciativa visando fundamentalmente intensificar as diversas actividades de promoção do aleitamento materno a todos os níveis.

A campanha, que vai envolver profissionais da saúde, organizações governamentais e não governamentais (ONGs) as lideranças comunitárias, visa, segundo Chongo, reforçar o papel do aleitamento materno, principalmente do aleitamento materno exclusivo durante os primeiros seis meses de vida da criança. A mesma pretende, por outro lado, despertar a atenção para a importância de proteger, promover e apoiar a actividade de aleitamento, sensibilizar de forma contínua a sociedade civil, as várias organizações bem como as comunidades sobre as boas práticas do aleitamento materno e alimentação infantil.

“A promoção do aleitamento materno é uma das prioridades do ministério e esperamos com esta iniciativa promover uma mudança de comportamento e de práticas inadequadas sobre a alimentação infantil e maior consciencialização da população em geral, sobre a importância do aleitamento materno exclusivo durante os primeiros seis meses de vida”, explicou Chongo.

Segundo as estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS), o aleitamento materno não exclusivo resulta, no mundo inteiro, em 1.4 milhões de mortes e é responsável por 10 por cento dos casos de doenças em crianças de idade inferior a cinco anos. Em Moçambique, as actuais taxas de aleitamento materno exclusivo são baixas, havendo desta feita necessidade de intensificar os esforços no sentido de inverter a actual realidade. Segundo dados do Inquérito Demográfico e de Saúde, realizado em 2003, embora 94 por cento das crianças de idade compreendida entre 12 a 15 anos sejam amamentadas ao peito, somente 30 por cento das crianças menores de seis meses recebem o aleitamento exclusivo.

Mais ainda, cerca de 80 por cento das crianças de idade compreendida entre os seis a nove meses recebem uma alimentação complementar inadequada. Contudo, importa sublinhar que o aleitamento materno protege a criança das doenças infecto-contagiosas, diarreicas, respiratórias porque contêm tudo o que a criança precisa para crescer saudável e desenvolver.

A chefe do departamento de saúde da mulher e da criança pede, por outro lado, as mães seropositivas a amamentarem os seus bebés sem recorrer as outras formas alimentação. “O leite materno além de ser limpo e higiénico está pronto e na temperatura certa, daí que a mãe não precisa de comprálo e quando mais o bebé mamar, maior será o leite que a mãe vai produzir”, disse Chongo.

Questionada sobre os riscos que uma mãe seropositiva pode colocar o seu filho, Chongo afirmou que quando a alimentação da criança for feita apenas com recurso ao aleitamento materno exclusivo não há perigo nenhum. “A mucosa e o tracto digestivo das crianças são muito sensíveis e quando a alimentação da criança é feita com bases em alimentos alternativos, isso pode provocar lesões que na hora da amamentação podem levar a criança se infectar pelo vírus da mãe”, explicou a fonte.

Desta feita, o MISAU vai, durante a campanha, promover e divulgar mensagens sobre aleitamento materno e alimentação infantil, capacitar os profissionais da saúde, activistas e os órgãos de comunicação social para a posterior disseminação das mensagens de apoio às mães na prática do aleitamento materno exclusivo nos primeiros seis meses de vida entre outras acções.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!