Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Ministério de Educação vai priorizar a inclusão da criança com idade escolar

A partir de 2008, o rendimento escolar dos alunos registou uma ligeira queda em todos os níveis de ensino, além de existir a percepção de que há muitas crianças que no fim do primeiro ciclo, 2ª classe, ainda não consiguem ler e escrever. Neste contexto, a manutenção e melhoria de um sistema ainda em crescimento requer, de ano para ano, mais recursos humanos e financeiros bem como a consolidação das reformas iniciadas.

De acordo com a contextualização das prioridades do sector da educação nos próximos anos, como resultado da crise económica mundial e consequente redução do apoio externo, aliada à necessidade do governo financiar outras prioridades, prevê-se que o orçamento dos próximos anos cresça a um rítimo inferior às necessidades.

Entretanto, todos esses factos implicam uma maior priorização das intervenções e a continuação da racionalização dos recursos disponíveis para assegurar que os progressos efectuados não sejam prejudicados, mas sim, consolidados e melhorados.

Segundo o documento de prioridades, pretende-se nos, próximos anos, intensificar as campanhas de mobilização para a matrícula na idade certa, expandir oportunidades do modelo pré-primário, especificamente, para camadas mais vulneráveis, assim como continuar a construção de mais salas de aulas e em locais mais perto das comunidades.

Relativamente às medidas de protecção social para evitar desistências por razões económicas, espera-se que, futuramente, seja introduzido o programa de lanche escolar para os mais vulneráveis, transferências monetárias para as famílias, facto que, acredita-se, virá melhorar a participação e retenção da criança.

Trata-se de prioridades para o sector da educação a serem inclusas no plano estratégico 2012-2016 e são apoiadas pelo compromisso do governo em atingir os objectivos de desenvolvimento do milénio.

Partindo do pressuposto de que a economia Moçambicana assenta essencialmente na agricultura, conclui-se que é importante que o país disponha de capacidades básicas assim como de especialistas formados para servir o, ainda, escasso sector formal.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!