Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Maxaquene conhece o seu calcanhar de AKIL(es)

A derrota do líder, o fato de macaco do perseguidor e um Moçambola congestionado ao centro. A ronda 14 do campeonato começou com uma reviravolta heróica do Ferroviário da Beira e com o campeão a ter de aplicar-se para que o Vilankulo FC fosse o mesmo. No meio da tabela, é a confusão completa, enquanto os últimos continuam últimos. O que também já se sabia.

O arranque da segunda volta fica inevitavelmente marcado pela igualdade pontual entre campeão e vice-campeão, da época passada, na tabela classificativa. Porém, o Maxaquene está em primeiro pelo empate conseguido no reduto dos muçulmanos na primeira volta. A ronda fica também marcada por casos de arbitragem, pela vitória do Matchedje no campo do Incomáti e pelo regresso às vitórias do Ferroviário da Beira.

A jornada contou com uma novidade. Afinal o Matchedje sabe devolver pela mesma moeda. Depois de ter iniciado a primeira volta com um derrota frente ao Incomáti, os militares usaram da mesma receita para levaram os três pontos que deixaram no jogo ‘inaugural’ do Moçambola. Quem adiou a vingança do Vilankulo FC para outra data a anunciar é a Liga Muçulmana. A equipa de Artur Semedo recebeu e venceu (2-1) aos homens de Inhambane com um brilhante Ítalo.

Na Beira viveu-se o descalabro dos tricolores. Arnaldo Salvado tinha procurado unir forças para o início da segunda metade do campeonato, apontando baterias para conquista do título.

Um objectivo que ficou mais longe na rebelde cidade da Beira, numa derrota com o Ferroviário local (3- 2), em jogo que ficou marcado por casos de arbitragem, com destaque para os oito minutos de compensação, mas que não explicam a quebra da equipa de Maputo depois de ter conseguido o 2-o.

Os tricolores, embora líderes, perderam a vantagem pontual para os muçulmanos no centro do país. Aliás, na mesma zona onde já deixaram seis pontos neste campeonato.

Os jogos de domingo trouxeram muita animação e deram um contributo decisivo para que esta fosse a segunda jornada mais emotiva no que diz respeito à mexidas na tabela classificativa. O Ferroviário da Beira já é sétimo. O Costa do Sol ultrapassou os dois clubes de Tete. Está bem atrás do Desportivo.

Falando no Desportivo, é preciso lembrar que este já tinha vencido os nampulenses no 1o de Maio, na primeira jornada. O Ferroviário de Nampula decidiu então retribuir o tratamento na recepção aos alvinegros, porém Leonel não permitiu que violassem as suas redes.

Importa lembrar que, na tarde de sábado, as atenções concentraram-se no campo dos canarinhos. Tinham ficado algumas dúvidas depois da fraca prestação da equipa de David Mandigora, frente ao Chingale na primeira volta, mas um imparável Babo desmontou os tetenses (1-0).

Em resumo, a jornada 14 não trouxe muito de novo. Os primeiros são cada vez mais primeiros e, em baixo, os últimos têm cada vez menos tempo (jogos) para inverter a situação.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!