Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Matadouro cotado na Bolsa e inaugurado pelo Presidente Nyusi executado por dívida à banca

Matadouro cotado na Bolsa e inaugurado pelo Presidente Nyusi executado por dívida à banca

Equipamentos, material de trabalho e imóveis da empresa MATAMA – Matadouro da Manhiça, S.A., foram penhorados por ordem do Tribunal para o pagamento de dívidas à banca. Entre os bens executados está um matadouro industrial inaugurado em Junho do ano passado pelo Presidente Filipe Nyusi. A Acção judicial deixou apreensivos vários investidores pois a empresa está cotada na Bolsa de Valores de Moçambique(BVM), instituição que não respondeu aos pedidos de esclarecimentos enviados pelo @Verdade.

Para o pagamento da dívida no valor de 14.483.776,61 meticais o Moza Banco moveu uma Acção Executiva contra a MATAMA, uma empresa em actividade desde 2015 no distrito da Manhiça, na província de Maputo, que em Junho do ano passado foi inaugurada com muita pompa pelo Chefe de Estado.

O @Verdade apurou que as dívidas que datam de 2015 referem-se a leasings contratados para a aquisição de três camiões para o transporte de animais. Notícias da altura da inauguração reportam que o Matadouro empregava 80 funcionários, tinha uma capacidade de abate de 60 animais por dia e um sistema de frio com capacidade para condicionar 150 toneladas de carne.

Entre os bens penhorados, além de material de escritório e equipamento de processamento de carne, constam o próprio matadouro, a instalação onde funcionava o talho e ainda as instalações administrativas desta empresa de capitais moçambicanos.

Diversos empresários estão apreensivos com o anúncio da Acção Judicial de cobrança, publicada no diário estatal, pois a MATAMA que era inicialmente propriedade da BCKJ – Agro-Pecuária, Lda (uma associação de criadores de gado na província de Maputo), que tinha uma participação de 55.04%, abriu o seu capital a investidores tendo sido admitida à Bolsa de Valores de Moçambique a 24 de Abril de 2017, colocando no mercado 1.800.000 acções ordinárias nominativas e escriturais, com o valor nominal unitário de 250,00MT, representativas de 100% do seu capital social.

O @Verdade contactou formalmente e telefonicamente a BVM para saber que implicações esta penhora terá na cotação bolsista da MATAMA. A instituição dirigida por Salim Valá não respondeu aos pedidos de esclarecimentos.

Um antigo gestor sénior da Bolsa de Valores de Moçambique explicou ao @Verdade que tendo em conta a situação, que atempadamente deveria ter sido comunicada ao Mercado de Valores assim como ao Banco de Moçambique, será aberta uma investigação para apurar a real situação da empresa e ponderar a sua suspensão ou exclusão da BVM.

Tentativas de contactar a MATAMA para apurar os motivos que conduziram a esta situação de aparente falência, seis meses após ser admitida à Bolsa de Valores, e qual será o futuro desta empresa foram infrutíferas.

Sintomático da situação da MATAMA será a não publicação até à data das Contas referente ao exercício de 2016, um imperativo para empresas cotadas em bolsa.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!