Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Manifestação em Luanda marcada por incidentes com a Polícia

Dezenas de jovens angolanos manifestou-se no princípio da tarde deste sábado junto à Praça da Independência, em Luanda, numa acção que provocou uma resposta musculada da Polícia, com recurso a cães e agentes a cavalo. A acção policial foi reforçada por civis que se aproximaram dos manifestantes, auxiliando a Polícia para tentar impedir o avanço da manifestação.

Iuri Mendes, ligado à organização da manifestação deste sábado, disse à Agência Lusa que “foram feitas detenções”, embora desconheça o seu número exacto, acrescentando que haverá pelo menos três feridos. Mendes contesta a actuação da polícia, que “desrespeita o direito de manifestação consagrado na Constituição angolana”: “Em vez de proteger, (a Polícia) desrespeita os direitos humanos.”

A Agência Lusa informou ter tentado obter um comentário dos oficiais da Polícia presentes no local, que se escusaram a prestar declarações, alegando estar em curso a operação de controlo da manifestação. Antes da carga policial os manifestantes gritavam “a Polícia é do povo, não é do MPLA” (partido no poder).

Entre os manifestantes está o “rapper” Brigadeiro Mata Frakuz, que já participou em protestos anteriores. Um dos feridos é um jovem chamado Adolfo, que tinha sido detido numa manifestação a 3 de Setembro. Antes do início da manifestação, Sampaio Liberdade, do Movimento Revolucionário Estudantil, dissera à Lusa esperar duas a três mil pessoas no protesto deste sábado.

O movimento de jovens já promoveu desde o início do ano cinco manifestações de contestação ao regime do presidente angolano, José Eduardo dos Santos, com participações que têm rondado as 500 pessoas. A 3 de Stembro uma manifestação organizada pelo movimento de jovens terminou com a detenção de 21 manifestantes, 18 dos quais foram julgados e condenados a penas de prisão entre um mês e 90 dias, por ofensas corporais à polícia e danos materiais. Sampaio Liberdade garantiu que as manifestações são pacíficas e que têm vindo a fazer um trabalho de “consciencialização” dos participantes para que “tudo seja feito” para “evitar a violência”.

Na organização da manifestação, participam além do Movimento Revolucionário Estudantil, mais amplo, dois movimentos de jovens de carácer local.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!