Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mais de um bilião de dólares em volume de negócios entre Moçambique e Índia

O volume de negócios entre Moçambique e Índia no ano financeiro de 2012-2013 é superior a um bilião de dólares norte-americanos.

Falando, esta Sexta-feira, num encontro de negócios entre empresários moçambicanos e indianos para a assinatura de um memorando de entendimento, o ministro moçambicano da Indústria e Comercio, Armando Inroga, disse que este volume é resultado das excelentes relações político-diplomáticas e económicas que ambos os países têm desenvolvido.

“A classe empresarial moçambicana tem o mercado indiano como parceiro há longuíssimos anos e o desenvolvimento do comércio ultrapassa a dimensão estritamente económica para uma dimensão cultural resultante do cruzamento dos nossos povos ao longo do tempo e da reafirmação permanente de um bem-estar traduzido pelo crescimento de famílias originariamente indianas que o são de várias gerações”, sublinhou.

Segundo o ministro, o governo moçambicano tem vindo a implementar reformas para a melhoria do ambiente de negócios visando a criação de condições para o fortalecimento da classe empresarial do país onde cabe o sector privado a implementação e dinamização da actividade económica.

“É o sector privado produto de pequenas e médias empresas que responde ao desafio da necessidade de aumento de oportunidades de emprego para a juventude, força motriz do nosso estado”, frisou.

Por seu turno, o ministro indiano de Indústria e Comércio, Anand Sharma, disse que estava em Moçambique para reforçar os laços de longa data existentes entre os dois povos e trazia experiências da Índia que se adequam a este pais da Africa Austral.

“Este país tem a capacidade de sair dos países menos desenvolvidos. Nós temos condições para isso através das nossas experiências, principalmente a partir das grandes descobertas minerais e a partir da energia”, sustentou.

O Ministro indiano frisou que o seu pais não quer “pilhar” os recursos moçambicanos, mas sim usá-los para o benefício de Moçambique.

O vice-presidente da Confederação das associações Económicas de Moçambique (CTA), Agostinho Vuma, disse que a assinatura do memorando que acabava de presenciar tem por objectivo reforçar as relações económicas e facilitar os empresários dos dois países a fazer negó- cios.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!