Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Mais de 40 vidas perdidas nas estradas moçambicanas numa semana

Pelo menos 41 pessoas morreram e outras 34 contraíram ferimentos, 21 das quais em estado grave, em virtude de 30 acidentes de viação, ocorridos entre 02 e 08 de Abril corrente, em diferentes pontos do território moçambicano.

As vítimas mortais incluem os 16 cidadãos perecidos na madrugada de segunda-feira (04) passada, na localidade de Mavanza, no distrito de Vilankulo, província de Inhambane, devido a um outro sinistro envolvendo um autocarro de passageiros, que fazia o trajecto Vilankulo/Maputo, e um camião que transportava troncos.

O Comando-Geral da Polícia da República de Moçambique (PRM), reitera os apelos a que os utentes da via pública pautem por um comportamento cívico e os automobilistas, em particular, apliquem os conhecimentos transmitidos pelas escolas de condução.

Inácio Dina, porta-voz daquela instituição do Estado, disse quem em igual período do ano passado houve 30 óbitos resultantes 42 sinistros rodoviários, que causaram 79 feridos, das quais 31 graves.

No que tange à responsabilização do condutor envolvido no acidente em Inhambane, o agente da Lei e Ordem disse, sem entrar em detalhes, que decorre um processo para o efeito.

Dos acidentes registados na semana finda, oito tiveram como causa o excesso de velocidade e três por má travessia de peões. Ademais, houve 15 atropelamentos do tipo carro-peão, sete choques entre carros, quatro despistes e capotamento, entre outras colisões.

Na tentativa de impor a disciplina na via pública, a Polícia ade Trânsito (PT) fiscalizou 38.703 viaturas, 89 das quais apreendidas por diversas irregularidades, 14 cidadãos detidos por se fazerem ao volante sem habilitações para o efeito, 4.718 impostas multas, 395 cartas de condução e 36 livretes confiscados.

Na semana em alusão, as autoridades policiais detiveram igualmente 2.522 indivíduos. Destes, 2.400 por violação de fronteiras e os restantes por outros crimes.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!