Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

https://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.htmlhttps://www.petromoc.co.mz/Lubrificantes.html
ADVERTISEMENT

Maior parte das doses de radiação em Fukushima é normal, garante a OMS

Os picos de radiação causados pelo acidente nuclear de Fukushima estavam abaixo dos níveis que podem causar o cancro em quase todo o Japão, e os países vizinhos tinham níveis de radiação semelhantes ao cenário normal, disse a Organização Mundial de Saúde (OMS), Quarta-feira.

Num relatório preliminar usando premissas conservadoras, os especialistas independentes afirmaram que as pessoas em apenas dois locais no município de Fukushima podem ter recebido uma dose entre 10 e 50 millisieverts (mSv) no ano depois do acidente na usina operada pela Tepco.

As populações expostas à radiação apresentam maiores chances de contrair o cancro depois de receberem doses superiores a 100 mSv, de acordo com a agência de saúde da Organização Nações Unidas.

O limite para a síndrome de radiação aguda é cerca de 1 Sv (1000 mSv). “Uma dose média mundial por ano de radiação no cenário natural é cerca de 2,4 mSv, com uma margem típica entre 1 e 10 mSv em várias regiões do mundo”, disse o relatório.

No resto da província de Fukushima, a dose efectiva foi estimada dentro da faixa de dose entre 1 e 10 mSv, enquanto as doses de radiação na maior parte do Japão estavam em apenas 0,1 a 1 mSv.

No resto do mundo, as doses eram inferiores 0,01 mSv ou menos. O terremoto e tsunami do dia 11 de Março de 2011 destruíram a usina nuclear de Fukushima Daiichi, provocando despejos nos reactores nucleares que causaram a contaminação e a retirada forçada em massa da população local.

“As doses não foram estimadas para a zona dentro de 20 quilómetros do local da Daiichi Fukushima, porque a maioria das pessoas da região foi retirada rapidamente e uma estimativa precisa da dose para estes indivíduos exigiria dados mais precisos do que os que estavam disponíveis”, apontou o relatório.

Os peritos basearam a sua avaliação sobre os dados disponíveis até Setembro do ano passado sobre a quantidade de radioactividade no ar, solo, água e alimentos depois do desastre.

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

error: Content is protected !!