Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Lei birmanesa obriga LND a expulsar Aung San Suu Kyi

A nova legislação eleitoral de Mianmar obriga a Liga Nacional para a Democracia (LND) a expulsar a presidente do partido, a líder opositora Aung San Suu Kyi, afirmou à AFP o porta-voz do partido, uma medida que foi criticada pelo governo dos Estados Unidos.

O regime militar promulgou na segunda-feira cinco textos de leis relacionados à celebração de eleições legislativas nos próximos meses, as primeiras no país desde 1990, que têm o conteúdo revelado aos poucos. “Constatamos que deveríamos expulsar Suu. A atitude é muito clara na lei”, disse Nyan Win, porta-voz da LND. A lei sobre inscrição de partidos políticos estipula, sobretudo, que alguém cumprindo pena de prisão não pode pertencer a um partido.

Suu Kyi cumpre uma pena de 18 meses de prisão domiciliar, confirmada recentemente pelo Supremo Tribunal de Yangun. A LND venceu as últimas eleições no país, há 20 anos, mas nunca exerceu o poder, já que o regime ditatorial não reconheceu os resultados. A líder da oposição birmanesa passou mais de 14 dos últimos 20 anos privada da liberdade. A lei afirma ainda que os partidos políticos dispõem de 60 dias para se registrar, o que vai obrigar os dirigentes da LND a tomar decisões rápidamente.

Em outro texto da lei, a junta birmanesa reserva o controle absoluto da comissão eleitoral e estipula que cada membro da mesma deverá ser considerado uma “personalidade eminente, demonstrar lealdade ao Estado e seus cidadãos e não ser membro de nenhum partido político”.

A Constituição de 2008, aprovada pouco depois da passagem do devastador ciclone Nargis (138.000 mortos ou desaparecidos), vetava de maneira expressa uma candidatura de Aung San Suu Kyi, sob a alegação de que a situação vale para todo birmanês casado com um estrangeiro. O marido de Suu Kyi, o britânico Michael Aris, faleceu em 1999. A comunidade internacional afirma há meses que a libertação de Suu Kyi é indispensável para a credibilidade da votação.

O enviado especial americano para Mianmar, Kurt Campbell, classificou a nova legislação de “decepcionante e lamentável”. “Me parece justo dizer que o que temos visto até agora nos parece decepcionante e lamentable”, disse Campbell em Kuala Lumpur (Malásia), onde fez uma escala durante uma viagem regional. Campbell aproveitou para pedir mais uma vez a libertação de Suu Kyi. “Queremos que desempenhe um papel ativo na vida política do país”, completou.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!