Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Lançar uma ponte entre a Polónia rica e a pobre

A votação de domingo revelou que a Polónia é uma sociedade dividida a meio, defende Adam Michnik, chefe de redação da Gazeta. A metade agora vitoriosa “encara o futuro do país dentro da UE – um país de democracia, pluralismo, economia de mercado livre e respeitador das leis”. Quanto ao lado perdedor, “uma direita autoritária, representada por Jaroslaw Kaczynski e seus apoiantes… é perigosa para a democracia na Polónia”.

Michnik salienta que a tradicional divisão esquerda/direita já não reflete o que está a acontecer na Europa Central e Oriental, nem mesmo em parte da Europa Ocidental onde uma “nova vaga de populismo sob diversas bandeiras ideológicas” está a ganhar as preferências e o apreço da opinião pública.

Haverá alguma possibilidade de fusão das duas Polónias?, interroga-se Tomasz Lis, editor de opinião do semanário Wprost; e ainda, quando “jogar com essa divisão deixará de dar dividendos políticos?”

A resposta, lastima, não está para breve, porque “a campanha presidencial não nos fez avançar, não trouxe nada de palpável à Polónia e aos polacos”. Lis apela aos seus compatriotas para pararem definitivamente de desperdiçar “tempo – um factor vital em qualquer democracia”.

É altura de encetar reformas de fundo nas finanças públicas, no sistema de saúde e nas pensões dos agricultores, e de lançar uma ponte sobre o fosso político entre a Polónia rica e a pobre. Como salienta Michnik, o forte apoio a Jaroslaw Kaczynski mostra que “muitos polacos ainda não se sentem bem no seu próprio país”.

O grande desafio do novo Presidente será alterar esta realidade.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!