Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Lançada primeira pedra em Moatize

Lançada primeira pedra em Moatize

Foi lançada esta manhã pelo Presidente da República, Armando Guebuza, a pedra do projecto de exploração de Carvão de Moatize, na província de Tete. A mina que em fase de funcionamento terá uma capacidade nominal de produção de 11 milhões de toneladas de carvão (metalúrgico e térmico) é fruto de um investimento estiamdo acima de 1,3 biliões de dólares americanos.

O evento contou com a participação ainda com a participação do ex-chefe de Estado, Joaquim Chissano, altas responsáveis da Vale e responsáveis do governo provincial.

Segundo Roger Agnelli, director-presidente da Vale, o empreendimento deverá gerar cerca de 900 empregos directos no auge da produção, com picos de até 3 mil postos de trabalho na fase de implantação.

Os benefícios à população de Moatize, onde hoje vivem 35 mil pessoas, se estenderão pelo vale do Rio Zambeze, no qual a cidade está localizada, e por todo o país

 

Projecto Moatize

A Vale está presente em Moçambique desde novembro de 2004, quando venceu a concorrência internacional para a realização de pesquisas em uma das maiores reservas carboníferas do mundo, localizada em Moatize, província de Tete, 1.700 quilómetros ao norte de Maputo.

A entrada no país deu-se sob os mesmos princípios de responsabilidade social que orientam a actuação da Vale nos locais onde se instala. A mina de Moatize deverá produzir 11 milhões de toneladas de carvão metalúrgico e carvão energético durante os próximos 35 anos.

Esse estudo faz parte de uma série de levantamentos que a multinacional brasileira assumiu perante o governo, em Novembro de 2004, quando venceu a concorrência internacional para a licença de pesquisa de carvão.

Contudo, decorrem negociações sobre questões logísticas com o governo local. Para o estudo de pré-viabilidade do projecto, entre 2005 e 2006 foram realizadas análises socioeconómicas com base em levantamento de dados secundários, pesquisas quantitativas e qualitativas, entre outras iniciativas. Também foram ouvidos 890 representantes dos públicos de relacionamento (stakeholders) da região.

A aproximação com a comunidade para apresentar o projecto, suas diversas fases, os impactos advindos e os cuidados da Vale na sua gestão foi feita por meio de reuniões com os diversos segmentos da população dos territórios impactados pelo projeto.

No total, foram promovidas 23 reuniões com líderes locais, 55 apresentações culturais e 47 reuniões com as comunidades, com a participação de 4.746 pessoas. Buscando o melhor entendimento das informações e a maior interação com o público, foram utilizadas ferramentas de comunicação adequadas à cultura local, baseada na oralidade, como, por exemplo, apresentações teatrais.

Durante a fase de análise da viabilidade do empreendimento, conforme previsto na proposta da Vale, investimos em ações voltadas para o desenvolvimento socioeconômico da região, em parceria com as comunidades, com o governo, com organizações não-governamentais e com o empresariado local.

Os investimentos — em projetos nas áreas de educação, cultura, saúde, infra-estrutura, agricultura e assistência social — foram orientados pela diretriz de ouvir as demandas das comunidades de Moatize e Tete.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!