Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Inspectora da Polícia em Manica denuncia marido procurador por violência doméstica

A inspectora da Polícia moçambicana, Elsídia Filipe, deu um basta à violência doméstica de que era vítima, há vários anos, mandou instaurar um processo-crime contra o marido, por sinal procurador distrital de Macossa, na província de Manica, e o mesmo foi condenado a uma pena de sete meses convertida em multa.

Elsídia Filipe, que é também porta-voz do Comando Provincial da Polícia da República de Moçambique (PRM) e chefe da secção de imprensa, em Manica, era constantemente espancada e humilhada pelo marido. Os maus tratos aconteciam mesmo antes de o casal ser da Província da Zambézia para Manica, em missão de trabalho, e a senhora foi engolindo sapos.

O agressor responde pelo nome de Tinosse Filipe Mejenje e foi condenado na segunda-feira (30) pelo juiz da 3ª Secção do Tribunal Judicial da Cidade de Chimoio (TJCC), pela prática de violência psicológica e ofensas corporais voluntárias simples à sua mulher.

O @Verdade contactou a vítima, mas ela optou em fechar-se em copas, alegadamente porque não tinha nada a dizer a respeito dos maus-tratos que sofrera nem relativamente ao processo que culminou em condenação do marido. “Sobre esse caso não tenho nada a dizer”.

Tinosse Mejenje ouviu boatos de que a esposa amantizava, tendo, por isso, despido a toga de guardião da legalidade e transformado a ela num verdadeiro “saco de pancadas”.

Contudo, ele não pôde provar em juízo que a consorte mantinha uma relação extra conjugal.

O juiz da causa, Luís Escova, disse na leitura da sentença que “vai também o réu [Tinosse] condenado a indemnizar a vítima pelo valor de 120 mil meticais devido aos danos corporais e morais causados”.

Findo este processo, Elsídia Filipe voltou ao tribunal para, outra vez, denunciar o marido por não pagar pensão de alimentos à filha menor de idade, o que levou a que fosse instaurado um outro processo-crime que já corre os devidos trâmites no tribunal.

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!