Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

HIV/SIDA reduz força activa de trabalho no País

A pandemia do HIV/SIDA constitui uma séria ameaça ao subsector do caju em Nampula, pois contribui substancialmente para a redução da força activa de trabalho que garante o funcionamento das indústrias de castanha de caju que estão em florescimento, segundo Moura Santos, da Olam – uma multinacional com sucursal no nosso país.

A Olam possui duas fábricas de descasque de castanha de caju no distrito de Monapo, uma das quais detentora de 50 por cento de acções, e uma outra em Ribáuè, vocacionada ao descaroçamento de algodão, empregando, na totalidade, mais de três mil trabalhadores. Aquele quadro sénior da Olam disse que a sua empresa ficou sensibilizada no sentido de juntar os seus esforços aos do governo para desenvolver acções concretas tendentes a reduzir os níveis de infecção pelo Hiv-Sida e de mitigação dos efeitos da doença no seio da sua massa laboral.

Com efeito a Olam, que opera em 58 países do mundo em actividades económicas ligadas à exportação e importação de produtos alimentares, comercialização de produtos agrícolas, tais como como gergelim, algodão, amêndoa de castanha de caju, entre outros, decidiu alocar um significativo montante à ONUSIDA. A nossa fonte não quantificou o valor alocado pela Olam, mas adiantou que as mencionadas acções visam apoiar projectos de prevenção e combate ao Hiv- Sida nos países onde a sua firma se encontra implantada, incluíndo outros 22 do continente africano.

A vila do Monapo, onde a OLAM possui a sua maior fábrica de processamento de castanha de caju no país, acolheu diversas actividades alusivas ao Dia Internacional de Combate ao Hiv- Sida, dominadas por testes aos interessados para saber da sua situação serológica, incluindo o rastreio de diabetes, tensão arterial, entre outras doenças, numa feira promovida a propósito da data.

O governo distrital esteve representado em peso e o respectivo administrador Fernando Saide reconheceu que algo deve ser feito no sentido de reduzir os níveis de infecção por Hiv-Sida situados em cerca de 500 novos casos diários no país e que aquela região não constitui uma excepção.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!