Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Há falta de transporte na rota Maputo/Ressano Garcia a partir do Terminal da Junta

Desde as primeiras horas desta quinta-feira (03), o Terminal Rodoviário Internacional da Junta, na capital moçambicana, está a registar um movimento invulgar de passageiros que a partir daquele ponto pretendem chegar a Ressano Garcia com destino a vários lugares da vizinha África do Sul.

Porém, há falta de transporte. Por causa disso, a correria no trajecto Maputo/Ressano Garcia e vice-versa, dada a necessidade de ter mais clientela, é maior.

Os transportadores só embarcam passageiros da Junta para aquela vila fronteiriça. De lá para Maputo não o fazem alegadamente porque há muito poucos passageiros e mais vale chegar depressa na Junta para facturar. Francisco Simião é fiscal da Associação dos Transportadores e está afecto na rota de Ressano Garcia.

Explicou ao @Verdade que a escassez de transporte deve-se ao facto de o Conselho Municipal de Maputo não permitir que transportadores não licenciados operem na via em causa, enquanto o número de viaturas com licenças é muito reduzido.

Na sua opinião, a falta de transporte, que já está a deixar os que a partir da Junta pretendem viajar para Ressano Garcia com os nervos à flor da pele, podia ser minimizada se a edilidade ponderassem.

Durante estes dias de elevada procura devia consentir a entrada de operadores não licenciados, mas devidamente identificado, para evitar as longas filas que caracterizam o ambiente neste momento.

Aníbal Amone, vice-presidente da Associação dos Transportadores ATAPFHUKA, disse que maior parte dos carros que trabalham a agremiação que dirige não possuem licenças.

Por isso, que são proibidos de entrarem na Terminal Rodoviário Internacional da Junta. Os passageiros vêem-se obrigados a permanecer muito tempo a espera de carros. Ele garantiu que só ontem, mais de 90 carros terão partido daquele terminal para Ressano Garcia.

Até ao princípio da tarde desta quinta-feira (03), 40 viaturas teriam feito o mesmo trajecto e não conseguem satisfazer a demanda. Enquanto isso, na rota Moçambique/África do Sul (directo), por exemplo, há pouco movimento. Em média partem 6 a 7 carros por dia.

Aníbal Amone disse não entender o que está por detrás da não preferência de transportes que vão directo para a terra do rand, apesar de que garantem segurança em relação a aqueles que terminam em Ressano Garcia.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Related Posts

error: Content is protected !!