Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Guebuza recebe cartas credenciais de embaixadores baseados em pretoria

O Presidente moçambicano, Armando Guebuza, recebeu cartas credencias dos embaixadores de Seychelles, Malásia e Nova Zelândia. Trata-se de Neollie Alexandre, Kennedy Jawan e Geoffrey John Ranal, respectivamente, que estão baseados na cidade sul-africana de Pretória, que irão cobrir Moçambique.

O Ministro moçambicano dos Negócios e Cooperação, Oldemiro Baloi disse a imprensa, na ocasião, que o desafio do Governo de Moçambique é elevar as relações económicas com os três países ao nível das “excelentes” relações diplomáticas e políticas.

Segundo Baloi, a cooperação entre Moçambique e os três países é concentrada em áreas específicas, nomeadamente turismo e pesca, formação técnico-profissional e ciência e tecnologia, bem como agricultura. “Há excelentes relações diplomáticas e políticas entre os países, mas hoje foi lançado o desafio de a cooperação económica procurar estar a altura das relações de cooperação já existentes”, disse. “A cooperação é concentrada.

Com a Malásia existe cooperação na formação técnico -profissional, ciência e tecnologia e temos connosco uma empresa malaia a fazer prospecção e pesquisa de petróleo (Petronas). Com a Nova Zelândia há cooperação na agricultura e turismo. Eles são muito bons nessas duas áreas.

Com Seychelles a cooperação é basicamente nas áreas da pesca e turismo, embora neste momento estejam a passar por um momento muito difícil por causa da pirataria o que afecta, de alguma maneira, estas actividades”, explicou. Para o chefe da diplomacia moçambicana, estas possibilidades precisam ser melhor aproveitadas de forma a responder as necessidades que o país tem nos vários domínios. “Neste momento falta agressividade da parte moçambicana para explorar as oportunidades de cooperação económica com estes países. Normalmente os países privilegiam a cooperação regional, e a nossa política externa está virada em primeiro lugar para a Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC)”, revelou.

Durante a apresentação das cartas credencias, Guebuza e os embaixadores abordaram a crise financeira internacional que está a afectar, sobremaneira, a Nova Zelândia e Seychelles. “A situação da Nova Zelândia é muito grave e o Governo adoptou um pacote financeiro para alavancar a economia. Nas Seicheles a situação é dramática porque é um país altamente endividado e a sua situação não está boa.

A crise tem implicação na cooperação entre Moçambique e esses países. Mas, para nós, a crise é uma oportunidade. Os investimentos podem ser transferidos para cá porque precisamos produzir muito para o consumo, reduzindo assim as importações. Ainda, podemos exportar o excedente”, salientou.

Nessas cooperações, Moçambique espera transmitir a sua experiência de desenvolvimento do turismo, bem como dos parques transfronteiriços, como contrapartida.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!