Para continuarmos  a fazer jornalismo independente dos políticos e da vontade dos anunciantes o @Verdade passou a ter um preço.

Governo indiano sob pressão para reagir a ataques maoístas

O descarrilamento de um comboio na sexta-feira, atribuído a uma sabotagem maoísta, deixou em posição delicada o Governo indiano, que está sob pressão para envolver o Exército na luta contra os guerrilheiros de extrema esquerda, consideram os analistas este sábado. As autoridades federais foram criticadas com severidade por seu combate à insurreição muito antes de um trem lotado de passageiros descarrilar na sexta-feira próximo a um bastião maoísta no Estado de Bengala Ocidental (leste), deixando mais de 115 mortos e mais de 200 feridos.

“O registro é no momento de 115 mortos com a descoberta de novos corpos”, declarou à AFP o inspetor geral da Polícia de Bengala Ocidental, Surajit Kar Purakayastha O número de mortos poderá chegar a 150, segundo socorristas. Uma série de ataques sangrentos desde o início deste ano obrigou o Governo a revisar sua estratégia de contra-ataque.

O ministro do Interior, P. Chidambaram, declarou recentemente que queria ver a sua autoridade reforçada para lutar contra a ameaça maoísta. Até agora, o Governo resistiu às pressões para que mobilize o Exército, com o argumento de que a Polícia e as forças paramilitares são capazes de retirar os insurgentes de suas fortalezas escondidas na selva. “A pedra angular da democracia indiana foi não utilizar o Exército contra seu próprio povo”, considera Mallika Joseph, especialista da rebelião maoísta no Instituto de Estudos sobre a Paz e os Conflitos em Nova Délhi. “Mas um clamor crescente exige o envolvimento do Exército e o Governo estará sob pressão para escolher uma estratégia mais agressiva”, considera.

“Isto significa que todas as iniciativas de desenvolvimento social em curso poderão ser relegadas a segundo plano”, acrescenta. A rebelião, que começou como um movimento camponês em 1967, estendeu-se para 20 dos 29 Estados da União, em particular ao longo de um “corredor vermelho” que cobre Jharkhand, Bengala Ocidental, Orissa, Bihar, Chhattisgarh e Andhra Pradesh.

Estes insurgentes, estimados entre 10.000 e 20.000, dizem lutar em defesa dos camponeses e das tribos. Controlam sobretudo regiões rurais que não se beneficiaram do desenvolvimento econômico da Índia. O Governo de centro-esquerda dirigido pelo Partido do Congresso gastou 661 bilhões de rúpias (14,6 bilhões de dólares) do orçamento deste ano em desenvolvimento rural, com a esperança de enfraquecer o apoio das populações mais pobres aos maoístas.

Paralelamente, para tentar retirá-los de seus bastiões, o Governo lançou este outono boreal (hemisfério norte) uma operação em seis Estados com 56.000 membros das forças paramilitares apoiadas pela Polícia local.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Related Posts

error: Content is protected !!